VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cidades
28/11/2008

Mais uma família perde tudo em incêndio

Um casal e o neto moravam no imóvel, localizado no Centro de Ibiporã, desde fevereiro; curto-circuto pode ser a causa do acidente

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Fábio Ciquini
Fogo começou por volta das 8 horas e em menos de uma hora já havia consumido tudo

Ibiporã - Um cabideiro com roupas queimadas, uma mesa, duas cadeiras, um terço e uma imagem de Cristo. Foi só o que sobrou de tudo o que Maria Marta Gonçalves Jaques e o marido conquistaram durante toda uma vida. Eles moravam de aluguel em uma casa de madeira na Rua Clotário Portugal, na Região Central de Ibiporã (Norte), que foi completamente destruída por um incêndio ontem de manhã.
PUBLICIDADE

O fogo começou por volta das 8 horas, e em menos de uma hora já havia consumido tudo. Para conter as chamas e evitar que estas atingissem as casas vizinhas, o Corpo de Bombeiros contou com a ajuda da Samae (responsável pelo saneamento da cidade) e de uma viatura da concessionária da rodovia, que passava pelo local, e chegou inclusive a pedir apoio para a unidade de Londrina.
Segundo informações dos bombeiros, um curto-circuito pode ter sido a causa do incêndio. ''A moradora relatou que teria ouvido alguns estalos na noite anterior. Além disso, essas casas de madeira geralmente têm a mesma fiação de quando foram construídas'', observou o sargento João Carlos Teixeira. Segundo Teixeira, quem mora em casas como essa precisa fazer revisões constantes e em alguns casos é recomendável até a substituição da fiação antiga.
Inconformada, Maria tentava entender o ocorrido. ''Não sei o que aconteceu. Eu estava lá fora varrendo quando algo me disse 'vai no quarto do fundo'. Chegando lá já tava tudo pegando fogo'', relatou, acrescentando que não tem velas em casa e não havia nada no cômodo que pudesse ter provocado o fogo. Ela conta que só teve tempo de acordar o neto, que dormia em outro quarto, e correr para fora de casa. ''Ainda tentei arrastar o sofá, mas meu neto me puxou'', revelou. Nessa hora, seu marido já havia ido trabalhar.
Os três moravam na casa desde fevereiro. ''Queimou a geladeira novinha que eu havia ganhado em fevereiro. Eu nunca tinha tido uma geladeira antes, a antiga era da minha mãe. Perdi tudo o que levei a vida inteira para ter'', lamentou a dona-de-casa.

Serviço - Quem quiser ajudar a família pode telefonar para (43) 3258-0687.
Adriana Ito
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

SEU DIREITO

PARTILHA DE BENS

Sua Saúde

ANDADOR

Uma rua dividida em duas

Um nome diferente em meio a várias vias com denominações indígenas, a Flamengo ainda é separada pela Avenida Brasília

FALA, CIDADÃO

Quais serão seus principais desafios como prefeito?

Quem deve julgar os índios?

Especialistas debatem se responsabilidade é da Justiça comum ou da Justiça Federal; No PR e SC são oito indígenas presos por crimes diversos

Solidariedade - Londrinenses ajudam desabrigados de SC

Defesa Civil está centralizando as doações. Empresas privadas também se mobilizaram

Veneno é recolhido do Ribeirão Apertados

Trabalho da força-tarefa é mais uma iniciativa importante para salvar manancial, mas ainda há muito a fazer

‘Aperto’ deve ter fim neste sábado

Inauguração do Terminal Guaraituba deve desafogar o sistema de transporte coletivo de Colombo, na RMC

Psiquiatras para ajudar na solução de crimes

Casos envolvendo crianças chocam a sociedade; especialistas alertam que é preciso levar em conta doenças mentais nos assassinos

Capital arrecada 450 ton. para doação

Roupas, sapatos, comida, material de limpeza e água são levados todos os dias para municípios de Santa Catarina

Quem deve julgar os índios do Brasil?

Especialistas debatem se responsabilidade é da Justiça comum ou Federal

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados