VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cidades
28/11/2013

Lição de combate ao mosquito

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Os estudantes se tornam agentes multiplicadores no bairro
Fotos: Celso Pacheco
Alunos da Escola José Garcia Vilar mostraram diversos aspectos da dengue, como a origem, evolução do mosquito, sintomas e prevenção

Londrina - O que eles aprendem em sala de aula levam para casa e assim o trabalho de conscientização contra a dengue vai ganhando força e efetividade em toda a comunidade. É com esse intuito que a professora Mariza C. de Oliveira trabalhou o tema durante todo o ano com os alunos do 5º ano da Escola Municipal José Garcia Vilar, na zona leste de Londrina.
PUBLICIDADE

Ontem de manhã, durante a Feira de Ciências e Cultural, a turma se dividiu em grupos e abordou diversos aspectos da dengue, como a origem, evolução do mosquito transmissor, sintomas e prevenção. Os trabalhos contaram com a ajuda do educador de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde, Lyon Martinez.
Quem passava pela sala de aula tinha uma boa surpresa. Os alunos mostravam que a lição estava na ponta da língua. "Aprendi que não dá para ter preguiça em cuidar do quintal, eliminar a água parada e também lavar os recipientes", conta Rafael Guilherme da Silva, de 11 anos.
Rafael é morador do Jardim Monte Cristo (zona leste), onde frequentemente há registros de casos da doença. Ele mesmo já contraiu dengue em duas ocasiões. "É ruim, a gente perde o apetite, dá febre e dói tudo", lembra.
A aluna Maria Eduarda D. Oliveira, que mora na região, especificamente na Vila Ricardo, apresentava alguns materiais que podem acumular água. "No meu bairro eu vejo muito lixo que pode se tornar um criadouro. O que mais tem é sacola plástica, latinha e garrafa pet", comenta.
Outro grupo reproduziu o Aedes aegypti com papelão. "O certo é a gente se prevenir, por isso todo o bairro tem que colaborar com a limpeza. Não adianta um só cuidar do quintal", diz Natália Vitória L. Nunes.
O educador Martinez ressalta que os alunos se tornam agentes multiplicadores no combate ao mosquito e ressalta que a parceria entre as secretarias da Educação e Saúde é uma das ações integradas do município. No último Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), realizado em Londrina entre os dias 21 e 25 de outubro, o índice foi de 1,5%, sendo que o preconizado pelo Ministério da Saúde é inferior a 1%.
O balanço atual do setor de Endemias aponta que neste ano, até 25 de novembro, foram registradas 7.308 notificações provenientes de Unidades Básicas de Saúde, hospitais e clínicas. Deste total, 1.170 se confirmaram, sendo 92 casos importados.
Ao projetar os números para as regiões, as zonas norte e oeste aparecem no topo com 327 e 326 confirmações, respectivamente. Em seguida, vem a zona sul com 199 casos, a região central com 180, a leste com 119 e a zona rural com 19 casos confirmados. (M.O.)
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Saúde quer criar unidades de acolhimento

Implantação dos abrigos transitórios, que atenderiam também moradores de rua, faz parte do programa federal Crack, é possível vencer

Dia de combate ao câncer de pele

Dermatologistas se mobilizam no sábado para realizar exames e conscientizar a população sobre a doença

SUA SAÚDE - VISÃO

O glaucoma deixa a pessoa cega?

Comerciante também morreu

Morre funcionária esfaqueada em Londrina

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic