VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quarta-feira, 24 de Maio de 2017
Cidades
31/03/2012

Conscientização sobre autismo

Transtorno atinge 0,6% da população e ocorre mais em meninos; diagnóstico precoce é fundamental

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Ricardo Chicarelli
Gabriel Takahira com a família: um adolescente de 13 anos aficcionado por videogame e ótimo desenhista

No dia 2 de abril comemora-se o Dia Mundial de Conscientização do Autismo,
um transtorno que não tem cara e nem forma física, mas sim características comportamentais. A síndrome atinge em média 0,6% da população e ocorre em quatro meninos para cada menina. O isolamento é uma das características do transtorno, mas não é a única, como explicou o neuropediatra Clay Brites, coordenador do Núcleo Londrina da Associação Brasileira de Neurologia e Psiquiatria Infantil e Profissões Afins. ''Toda criança com autismo tem as três características: inadequação social, comportamentos repetitivos e atraso de linguagem''.
Os sintomas aparecem antes dos três anos de idade; assim, os pais devem ficar atentos. ''Quando a criança não consegue manter este contato com outra criança ou com os próprios pais deve-se desconfiar de autismo. Outro sintoma é se em um ambiente com outras crianças existe uma que brinca sozinha com um objeto de interesse ou vai para junto das outras crianças, mas só fica correndo em volta, sem interagir com as demais'', observa. Brites acrescenta que um terceiro sinal clássico é o atraso na linguagem. ''O autista demora para falar ou apresenta uma regressão súbita na linguagem antes dos três anos.''
Segundo o médico, a fase entre um ano e três meses e três anos é a mais crítica. ''Autismo é alteração no desenvolvimento. Por algum motivo a criança não atinge a fase adequada para interagir socialmente'', explica, acrescentando que entre os autistas também é comum a resistência a mudanças. ''Eles criam rotinas compulsivas e se interessam apenas por aquela experiência.''
Conforme Brites, o transtorno tem natureza neurogenética, mas não há uma explicação cientificamente convincente que esclareça por que é mais comum entre os meninos. Tem mais chances de apresentar o problema as crianças que nascem prematuras e aquelas que possuem outras síndromes genéticas.
Informação
O diagnóstico é considerado a principal dificuldade do enfrentamento da doença. ''Muitos profissionais não reconhecem o autismo, entre eles pediatras, psicólogos, fonoaudiólogos e professores. Faltam informação, especialização e atualização para estas pessoas, precisamos criar uma cultura de detecção precoce'', alerta.
Aceitar o autismo não é fácil para as famílias. ''O diagnóstico precoce é fundamental para a qualidade de vida desta família. Se ele for feito depois dos cinco anos, muito pouco se pode fazer para melhorar a adequação social e a linguagem da criança'', afirma Brites. ''A criança que nasce com autismo vai morrer assim, mas se houver diagnóstico precoce ela pode melhorar 99%'', ressalta.
De acordo com o neuropediatra, o que falta para melhorar a relação do autista com a sociedade é informação. ''No Brasil não há estatísticas confiáveis sobre autismo. Precisamos criar estratégias de intervenção em política pública'', desta. Há um projeto de lei em discussão no Senado que institui a proteção dos direitos do indivíduo com autismo.
''A primeira proteção que o autista precisa é o atendimento precoce. Os profissionais das unidades de saúde devem ser preparados para identificar a síndrome. Também é preciso investir e melhorar a formação do pediatra, fonoaudiólogo, psicólogo, do cuidador de creche e do professor.''
Michelle Aligleri
Reportagem Local
Continue lendo
23
Continue Lendo
2-1-30-5120-20120331
2-1-37-5121-20120331
2-1-30-5138-20120331
2-1-30-5220-20120331
2-1-30-5223-20120331
2-1-30-5219-20120331
2-1-30-5222-20120331
2-1-30-5221-20120331
2-1-30-5218-20120331
2-1-30-5129-20120331
2-1-37-5130-20120331
2-1-30-5131-20120331
2-1-30-5135-20120331
2-1-30-5140-20120331
2-1-30-5122-20120331
2-1-30-5123-20120331
2-1-30-5125-20120331
2-1-30-5228-20120331
2-1-30-5229-20120331
2-1-30-5232-20120331
2-1-30-5243-20120331
2-1-30-5248-20120331
2-1-30-5249-20120331
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados