VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Segunda-feira, 27 de Março de 2017
Cadernos Especiais
24/06/2007

SEU AMBIENTE, NOSSO AMBIENTE - Um futuro chamado Acquametropole

Projeto prevê valorizar ecossistemas urbanos, transformando microbacias regionais em unidades estratégicas de planejamento e fiscalização

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
A preservação possibilita que belezas naturais como a cachoeira do Ribeirão dos Apertados sejam melhor aproveitadas para lazer e turismo
O Ribeirão 3 Bocas, que nasce em Arapongas, é exemplo de degradação que percorre toda a região, até alcançar o rio Tibagi

Imagine uma região rica em nascentes e rios, onde a poluição industrial e residencial é retida na fonte, as águas são mantidas cristalinas e podem ser aproveitadas pela população nas horas de lazer.
O resgate desse belo cenário natural é o objetivo do projeto Acquametropole, idealizado pelo assessor de recursos hídricos da secretaria municipal de Meio Ambiente, João Batista de Souza - o João das Águas -, pelo assessor técnico da Coordenadoria da Região Metropolitana de Londrina, Luis Figueira de Melo, pela promotora de Defesa do Meio Ambiente, Solange Vicentin, e que conta com apoio das ONGs Patrulha das Águas e Meio Ambiente Equilibrado (MAE).
A valorização dos ecossistemas formados pelos rios - que nascem nos municípios de Arapongas e Apucarana, cortam a área urbana de Londrina e desaguam no rio Tibagi - será feita por meio da sub-divisão das microbacias regionais em unidades estratégicas de planejamento e fiscalização.
Na prática, o projeto prevê uma série de ações simultâneas: conservação das nascentes; combate à contaminação por resíduos industriais; redução da poluição gerada pelos detritos que chegam aos rios por meio dos bueiros e galerias pluviais (poluição difusa); aumento das áreas verdes para facilitar a infiltração da água da chuva e reabastecer os lençóis freáticos; destinação correta do lixo e valorização das áreas de lazer e turismo.
''Tudo começou anos atrás, com a idéia do Pró-Igapó, que pretendia recuperar nosso principal rio urbano. Depois, com o projeto Arco Norte, que prevê a integração de Londrina e municípios vizinhos, criamos o Acquametropole, para implantar uma gestão ambiental de forma compartilhada'', explicou João das Águas.
''Temos de criar planos de gestão para cada bacia, porque a conservação das águas não se baseia no limite territorial das cidades, mas nas bacias hidrográficas. Todo lixo, sujeira e contaminante gerados numa bacia fatalmente chegarão aos seus rios.''
Para o assessor técnico da região metropolitana, Luis Figueira de Melo, a água é um ''termômetro da cultura ambiental da população''. ''Quando as águas estão limpas, é reflexo de boas práticas ambientais. Quando estão sujas e degradadas, refletem o mau funcionamento das cidades''.
O ribeirão 3 Bocas, que nasce em Arapongas, é um exemplo de degradação que percorre toda a região. Desde a sua nascente, transformada em lixão pela indústria moveleira local, as águas sofrem um forte processo de contaminação, que atravessa Londrina e é transportado até o rio Tibagi.
''Temos de planejar o desenvolvimento de forma sustentável e valorizar nossos principais ativos, que são os recursos naturais. Se olharmos as cidades a partir das águas, teremos mais áreas de lazer, turismo e qualidade de vida. Com certeza, isso vai impulsionar o crescimento de toda a região'', acredita Figueira. ''O norte do Paraná tem uma posição privilegiada em relação a outras metrópoles, mas nossos diferenciais ambientais estão desarticulados''.
A promotora Solange Vicentin destacou que o sucesso do projeto, concebido de forma multi-institucional, depende do envolvimento simultâneo da população e do poder público. De acordo com ela, muitas pessoas ignoram atitudes corriqueiras do dia-a-dia que colaboram com a contaminação dos rios.
''Precisamos de uma mudança cultural. A população tem de saber que todos fazem parte dessa cadeia de degradação, inclusive a dona de casa que lava a calçada e deixa o sabão escorrer pelo bueiro e atingir os rios'', explicou.

Serviço
O projeto Acquametropole será lançado oficialmente no próximo dia 29, às 19h30, no Teatro Filadélfia. As atividades vão começar pela micro-bacia do Córrego Água Fresca, no centro de Londrina, que servirá como piloto (leia mais na coluna Seu Ambiente, Nosso Ambiente, do próximo domingo).
Fábio Cavazotti
Reportagem Local
Continue lendo
7
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagem
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados