VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quarta-feira, 28 de Junho de 2017
Cadernos Especiais
10/06/2008

Resolução também limita espaço ‘virtual’

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Para fazer propaganda eleitoral na internet, o candidato deve se limitar a um único 'site' - regra válida em todo o País. A interpretação, feita com base na resolução número 22.718, de 2008, do TSE, é do promotor eleitoral Armando Sobrero, que está à frente do Centro de Apoio Operacional das Promotorias Eleitorais do Paraná. Segundo ele, ferramentas como blog, Orkut e Youtube, por exemplo, estão proibidas. O e-mail está liberado.
Sobrero explica que a resolução não trata de todas as questões do espaço 'virtual', mas já é considerada um avanço. ''A legislação está sempre na retaguarda do avanço tecnológico. E ainda há uma omissão do legislador, do Congresso Nacional, sobre o espaço 'virtual', tanto que coube ao TSE reduzir o problema''.
Pelos artigos 18 e 19 da resolução, os candidatos poderão fazer propaganda eleitoral na internet num único site, com a terminação 'can.br' ou com outras terminações, desde que observada a seguinte especificação: http://www.nomedocandidatonumerodocandidato.can.br, sendo que 'nomedocandidato' deverá corresponder ao nome indicado para constar na urna eletrônica.
Questionado sobre de que forma será feita a fiscalização, Sobrero admite a dificuldade. Como impedir, por exemplo, que o próprio eleitor crie um 'site' para o seu candidato ou se manifeste na internet sobre sua opção nas urnas? Sobrero enfatiza que o eleitor ''não pode ignorar a resolução''. ''Ele não pode criar uma comunidade no Orkut para o seu candidato, por exemplo''. Manifestações individuais, entretanto, são permitidas. ''Mas é claro que a linha é tênue entre campanha eleitoral e demonstração pessoal de simpatia pelo candidato. Tanto que é difícil estabelecer as regras''.
Para fiscalizar o espaço 'virtual', os promotores eleitorais, segundo ele, também devem contar com a ajuda dos próprios eleitores e candidatos. ''Não temos condição de ter uma rotina de fiscalização. Na maior parte das vezes, vamos agir a partir de uma denúncia'', explicou. Em Curitiba, é a 177 zona eleitoral quem cuidará dos processos relativos à propaganda eleitoral na mídia (TV, rádio, imprensa escrita e internet).
Sobrero concorda em parte com um dos argumentos contrários à limitação da propaganda eleitoral na internet: o fato dos sites não serem 'empurrados' ao eleitor - só entra num site, por exemplo, o eleitor que, por conta própria, digitar um endereço. ''Um adesivo, por exemplo, só coloca no carro quem quiser, é livre. Internet é igual, só entra no site quem quiser digitar o endereço''.
Mas, por outro lado, o promotor eleitoral alerta que, ao não estabelecer limites, os candidatos podem ficar em desigualdade na disputa. ''Quem tiver mais condições econômicas vai criar 20 endereços eletrônicos com sites estruturados. A resolução é uma maneira de preservar certa igualdade no pleito''. (C.S.)
Continue lendo
11
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados