VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cadernos Especiais
03/09/2008

Prefeito diz que está disponível para conversar com governador

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

FOLHA DE LONDRINA: É público que existe uma desavença entre o senhor e o governador do Estado...
PUBLICIDADE

BETO RICHA: da parte dele.

FOLHA: Curitiba sofreu alguma consequência em função dessa desavença?
BETO: Veja bem, sou democrático e converso com todos independente de corrente política ou a que partido pertença. Desde o início, quando assumi a prefeitura, procurei o governador. E tivemos um bom convívio. Depois da eleição de 2006, o governador mudou a postura. Tinhamos, por exemplo, o financiamento do Fundo de Desenvolvimento Urbano, da ordem de R$ 63 milhões, para a revitalização de importantes ruas e avenidas, a implantação de um anel viário central e a construção do hospital do idoso. Algumas dessas obras já estavam licitadas, faltava apenas a homologação e a ordem de serviço e ele sumariamente cortou tudo. Fizemos um esforço e estamos fazendo as obras com recursos próprios. Da minha parte não tem desavença. A hora que o governador quiser voltar a conversar estou disponível.

FOLHA: Como o senhor avalia a súmula do Supremo Tribunal Federal contra o nepotismo?
BETO: Sou contra o nepotismo, quero deixar claro. O nepotismo para mim é um favorecimento abusivo. É usar das prerrogativas de governante para arrumar uma acomodação para um parente, não levando em conta se ele tem competência ou preparo para o exercício da função. Tenho meu irmão na Secretaria de Administração, mas ele já foi testado e aprovado na administração pública inclusive no governo Requião. E tradicionalmente a primeira dama cuida da área social de uma administração e a Fernanda, minha mulher, sempre gostou dessa área. Faz e faz bem feito. Agora, para concluir, quero dizer que nunca questionei decisões judiciais. Acato o que for determinado.

FOLHA: Quais são os mecanismos de transparência que existem hoje na prefeitura?
BETO: Temos o site da prefeitura que tem o portal dos gastos públicos. O governo eletrônico, que diminui a burocracia e dá mais agilidade, transparência. Temos os Portais de Serviços, que são os totens multimídias espalhados na cidade. Realizamos mais de 230 audiências públicas por todos os bairros da cidade, não apenas para ouvir as pessoas, mas também para prestar contas dos nossos atos.

FOLHA: O senhor pretende aperfeiçoar esses mecanismos?
BETO: Vamos continuar aperfeiçoando.

FOLHA: Principalmente relacionado às questões da disponibilização de gastos, orçamento...
BETO: Os gastos já estão na internet.

FOLHA: Estão na internet, mas existe um pouco de dificuldade no acesso. O senhor tem algum projeto para simplificar?
BETO: A Secretaria de Finanças está avaliando como disponibilizar esses dados de forma mais simplificada, o que deve ser implantado nos próximos meses.

FOLHA: E como o senhor vê a atuação da Câmara Municipal?
BETO: É uma boa atuação. A Câmara tem sido eficiente, tem tratado bem os temas que mais interessam à população. Tem promovido muitas audiências públicas em temas mais polêmicos. Temos uma boa relação com a Câmara. Mas quero destacar que existe uma relação respeitosa. Reconheço a independência do Poder Legislativo.

FOLHA: O senhor acredita que o salário do prefeito é adequado ao cargo?
BETO: É uma avaliação muito subjetiva. Não tem comparação em outro segmento da sociedade. Por outro lado, sendo um representante público, acho que devo ser o primeiro a dar o exemplo. Tanto é que quando saiu no jornal O Globo que era o maior salário do Brasil resolvi por iniciativa própria devolver parte do meu salário aos cofres públicos. Tentei baixar o meu salário, mas isso não é possível. O salário é determinado no mandato anterior, na legislatura anterior porque é pela Câmara. Então devolvo parte do salário e agora teve um aumento na Câmara Municipal que vetei.

FOLHA: O senhor pretende continuar fazendo essa devolução em um próximo mandato?
BETO: Sim, pretendo.

REGRAS
A FOLHA DE LONDRINA prossegue hoje com a série de entrevistas com os candidatos ao cargo de prefeito de Curitiba. A ''sabatina'' com os políticos aconteceu no mês de agosto, na sucursal da FOLHA, em horários e datas diferentes. As regras foram informadas previamente para as assessorias dos candidatos.
A publicação segue ordem alfabética. O entrevistado de hoje é o prefeito Beto Richa (PSDB/Coligação ''Curitiba - O Trabalho Continua''). Amanhã a FOLHA traz a entrevista do médico oftalmologista Carlos Augusto Moreira Júnior, do PMDB.
André Amorim e
Karla Losse Mendes Equipe da Folha
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

HISTÓRIAS

Panela velha

CENA

Cor

GASTRONOMIA - Simples e apetitoso

Chef ensina empregadas domésticas a transformar receitas triviais em pratos sedutores

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados