VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cadernos Especiais
24/07/2016

Por uma indústria mais pujante

Lideranças defendem organização do setor na região, além de melhor aproveitamento da localização próxima ao Estado de São Paulo para seu desenvolvimento

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois



Acreditando que Londrina tem uma vocação natural para o setor de serviços, durante muito tempo as lideranças dos setores público e privado deram pouca importância ao desenvolvimento industrial do município. Nos últimos anos, há esforços concentrados para que este setor se desenvolva mais.
PUBLICIDADE

Mas, para o presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), Júlio Suzuki Júnior, Londrina não pode ser vista com "um espaço geográfico único", mas sob a ótica de região metropolitana. "Cambé e Ibiporã têm indústrias, especialmente na área metalmecânica. E Rolândia tem a indústria alimentícia", ressalta. Ele também aponta que o setor de serviços local é de alto valor agregado. "Estamos falando de medicina de ponta, de desenvolvimento de software e de ensino superior e não apenas de conserto de automóveis", declara.
O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, ressalta as características da indústria da região. "Os segmentos mais fortes são confecção e vestuário, produtos metalmecânicos, alimentos e bebidas, móveis e máquinas e equipamentos", enumera.
Para ele, outro destaque tem sido a indústria de Tecnologia da Informação (TI). "É um setor que se desenvolve muito com o apoio dos governos locais, do Estado e da União. E é uma indústria limpa", alega. Segundos os órgãos oficiais, TI não é indústria de transformação e sim serviços. Mas, o sindicato das empresas de softwares, o Sinfor, é filiado à Fiep. "Eles se sentem mais abrigados conosco que nos serviços", justifica.
Campagnolo não acredita que a distância do Porto de Paranaguá seja um dificultador para a indústria da região, como alegam empresários e o próprio governo do Estado. "O Norte do Paraná está muito próximo ao maior mercado consumidor do País (São Paulo). Essa é uma grande vantagem competitiva. Todas as águas convergem para Londrina."
O presidente da Fiep acredita que falta uma organização maior dos londrinenses para o desenvolvimento da indústria local. E ressalta que as crises políticas recentes na cidade atrapalharam o crescimento do município. "O Sudoeste do Paraná está muito longe do porto. É um local que você jamais imaginaria que iria ocorrer uma concentração tão grande de indústrias como existe hoje."

POLO DE ARAPONGAS
O polo moveleiro de Arapongas é um dos maiores destaques da indústria regional. Na área de abrangência do sindicato patronal do setor, o Sima, há mais de 1.000 indústrias, sendo 300 só em Arapongas. "Nosso polo abastece 10% do mercado nacional de móveis", afirma o presidente do Sima, Irineu Munhoz. Somente na cidade, a indústria gera 10 mil empregos diretos. A família dele possui duas empresas (a Caemmun e a Líder), que juntas oferecem 400 empregos e exportam para 30 países.
A crise tem afetado a indústria moveleira local, mas as perspectivas do setor, segundo ele, são boas. "Acreditamos que o mercado voltará a reagir e voltará à normalidade. Temos empresas pujantes que sempre investem em tecnologia."
Nelson Bortolin
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Projetando o desenvolvimento de Londrina e região

EncontrosFolha, no próximo dia 29, vai debater os setores indústria, comércio e serviços

A crise nas cidades de médio porte

Professor Robson Ribeiro Gonçalves, da Isae/FGV, vai apresentar palestra sobre o momento econômico no interior

Diversificação econômica: um trunfo para Londrina

Terminada a era cafeeira, a cidade encontrou caminhos diversos para continuar se desenvolvendo

A força do comércio

Mercado consumidor da região ultrapassa 1,3 milhão de pessoas que impulsionam o setor

Vocação em servir

Em Londrina, os serviços são responsáveis por 75% do PIB e empregam a maior parte dos trabalhadores

A caminho dos R$ 100 milhões

Criada em Londrina, a Angelus se prepara para uma nova fase de produção em uma joint venture com indústria inglesa

‘Cidade está pronta para se industrializar’

Prefeito Alexandre Kireeff faz balanço das ações de seu governo para alavancar o desenvolvimento do setor

Startups ajudam a consolidar polo de TI

Região conta com um terço dos projetos que estão sendo orientados pelo Sebrae no Estado

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic