VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cadernos Especiais
10/06/2008

‘Energia muito boa, you know’

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Muitos ficaram sem convite e não entraram na festa no Castelo do Batel
Na pista, às 6 horas da manhã, os DJ’s ainda levantavam o público

Leandro Karam participa da Festa Fantasia do Tite desde a primeira edição, em 1998. Há seis anos, cobre o evento para o seu programa ''Na Moral'', exibido na NET. Há três, também faz a cobertura oficial.

Karam elogia o amigo Tite. ''Ele consegue fazer os curitibanos se soltarem. Mais: ele consegue fazer a alta sociedade se soltar, o que é mais difícil.'' O apresentador define o dono da festa como um palhaço, divertido. Diz que se existe alguém que não gosta dele é porque não o conhece. ''Cubro todas as festas da cidade e te digo: esta é única.''
O apresentador, vestido com uma fantasia que define como medieval-glacial, acredita que o evento está começando a se tornar internacional. ''Na minha opinião, em dez anos vai ser uma festa turística. É o Carnaval fora de época que Curitiba não tem.''
O nova-iorquino Patrick Schultz, analista de ações em Wall Street, era um dos frequentadores do camarote 09. Vestido de Elvis, comenta que veio ao Brasil por duas razões: festa e negócios. Como tem muitos amigos brasileiros, ficou sabendo da festa e já arrisca no português. ''Energia muito boa, you know.'' Sobre o País, já sabe o que vai contar aos amigos estadunidenses. ''Quando perguntarem, vou dizer que é muito perigoso, violento'', brinca. Na verdade, conta que quer manter em segredo o país que descobriu. ''A economia é incrível. Aqui é onde tudo acontece. É onde está a energia. Os EUA são coisa do século passado.''
Sobre a festa, diz que uma igual não seria possível, hoje, em Nova York. ''Há dez anos você poderia encontrar uma festa assim por lá. Mas o mundo muda rápido e os tempos são outros.'' O amigo Eric Pharis divide ideologia próxima. ''A festa é feia e as pessoas também. Ao menos é isso que vou contar. Achei a festa perfeita''.
A fantasia do relações públicas Lincoln Rincoski foi uma das que mais chamou à atenção. Vestido como o menino do filme ''Brinquedo Assassino'', ele carregava nos ombros o boneco do Chucky, os mesmos adereços que o próprio desfilou no Carnaval deste ano pela Viradouro. ''Fez tanto sucesso que, no meio da noite, um cara de Caxias pediu para vestir o boneco e disse que não ia largar mais. Fui obrigado a vendê-lo'', conta o relações públicas completando que guarda mais dois dos bonecos em casa. O comprador, Vinicius Gasparin, pagou à vista: R$ 250. Gasparin achou a festa ''muito bala''. Ele pagou outros R$ 2 mil pelo camarote 09, um espaço para 15 a 20 pessoas. (R.U.)
NOTÍCIAS RELACIONADAS
CONTINUE LENDO

Interagindo

Qual a melhor maneira de preservar o meio ambiente?

LIGEIRAS

Cidade fantasma e gelada

CENA

CONVITE TELEFÔNICO

Propaganda de rua: mudança pode beneficiar quem já exerce mandato

MPE indica que pode entrar com mandado de segurança contra portaria que limita campanha de rua em Curitiba

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados