VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cadernos Especiais
24/07/2016

‘Cidade está pronta para se industrializar’

Prefeito Alexandre Kireeff faz balanço das ações de seu governo para alavancar o desenvolvimento do setor

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Gustavo Carneiro
Gustavo Carneiro
Um dos principais projetos de Kireeff é a Cidade Industrial de Londrina: "Infraestrutura deve começar em agosto"




As condições necessárias para que Londrina volte a se industrializar estão criadas. Essa é avaliação do prefeito Alexandre Kireeff (PSD), cujo mandato termina em dezembro. Ele alega que, por muito tempo, o setor não se desenvolveu devido à falta de infraestrutura adequada e à legislação pouco amigável aos empreendimentos. Em entrevista concedida à FOLHA, o prefeito fez um balanço das ações de seu governo visando o desenvolvimento da indústria.
PUBLICIDADE

Um dos principais projetos de Kireeff é a Cidade Industrial de Londrina (Cilon I). O parque ficará numa área pertencente ao município, na zona norte, próximo a Cambé. Serão 255 lotes com cerca de 2 mil metros quadrados para a instalação de indústrias do tipo 1 e 2, que têm baixo impacto ambiental.
"Nossa expectativa é começar as obras de infraestrutura em agosto. Os projetos estão em fase final de aprovação", afirma. As obras de asfalto, galeria pluvial, esgoto, iluminação, devem durar de seis meses a um ano. A Prefeitura irá abrir edital para que as empresas se candidatem a receber os terrenos. "Daremos preferência para indústrias verdes e aquelas que trabalham com produtos recicláveis", alega.
Já o projeto da Cilon II, na zona sul, está suspenso em virtude de liminar concedida pela Justiça em favor de uma ONG. A organização alega que o terreno escolhido pelo Município pertence à zona de amortecimento da Mata dos Godoy. E, por isso, não pode abrigar indústrias. Kireeff diz que é preciso esperar o encerramento do processo ou uma nova definição do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) sobre a zona de amortecimento. Se tiver de escolher outra área, ele defende que a Cilon II, planejado para abrigar indústrias pesadas, seja construído na mesma região, no outro lado da PR-445, saída para Curitiba.
O prefeito citou também a regularização do Parque Tecnológico, na zona norte, onde são instaladas empresas de base tecnológica, como as de biotecnologia. "Lá já temos cerca de 80% dos terrenos doados. Há várias empresas que estão construindo neste momento e outras que estão em fase de elaboração de projetos."
Dentro do Parque Tecnológico, a Prefeitura está construindo o Tecnocentro. "Será um laboratório de pesquisa para as empresas do parque. A gestão será do Senai e da Universidade Federal Tecnológica do Paraná (UTFPR)", explica. A vinda da Compagás, no início do mandato de Kireeff, é outro facilitador da industrialização da cidade, conforme defende ele.
"Também fizemos a expansão da Avenida Saul Elikind (zona norte) para leste, em direção a Ibiporã, e para Oeste, em direção a Cambé. Essa obra cria a logística necessária para as indústrias da região", avalia. A duplicação da Avenida Angelina Ricci Vezozzo é outra obra citada por ele como importante, já que, ao lado leste da via, encontram-se áreas industriais, como o Lote 70.
Além da infraestrutura, o balanço de Kireeff inclui mudanças na legislação. "Aprovamos o novo plano diretor, sem o qual não seria possível criar as áreas industriais. Aprovamos a lei que permite indústria às margens das rodovias", enumera. Embora a Câmara Municipal ainda não tenha aprovado o projeto de lei que regulamenta o Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV), o prefeito considera que um decreto baixado pelo Executivo tornou eficaz a tramitação desses estudos.
Os EIVs são obrigatórios para qualquer tipo de empreendimento que gere impacto na cidade. E, no início da atual gestão, levavam mais de um ano para tramitarem na Prefeitura. "Hoje não tem mais fila de EIV", garante Kireeff.
Nelson Bortolin
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Projetando o desenvolvimento de Londrina e região

EncontrosFolha, no próximo dia 29, vai debater os setores indústria, comércio e serviços

A crise nas cidades de médio porte

Professor Robson Ribeiro Gonçalves, da Isae/FGV, vai apresentar palestra sobre o momento econômico no interior

Diversificação econômica: um trunfo para Londrina

Terminada a era cafeeira, a cidade encontrou caminhos diversos para continuar se desenvolvendo

A força do comércio

Mercado consumidor da região ultrapassa 1,3 milhão de pessoas que impulsionam o setor

Vocação em servir

Em Londrina, os serviços são responsáveis por 75% do PIB e empregam a maior parte dos trabalhadores

Por uma indústria mais pujante

Lideranças defendem organização do setor na região, além de melhor aproveitamento da localização próxima ao Estado de São Paulo para seu desenvolvimento

A caminho dos R$ 100 milhões

Criada em Londrina, a Angelus se prepara para uma nova fase de produção em uma joint venture com indústria inglesa

Startups ajudam a consolidar polo de TI

Região conta com um terço dos projetos que estão sendo orientados pelo Sebrae no Estado

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados