VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quarta-feira, 28 de Junho de 2017
Cadernos Especiais
11/06/2008

Cassação expõe divergências partidárias

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Se por um lado as cassações dos 'infiéis' podem diminuir o troca-troca partidário, em outro aspecto os processos contra vereadores também podem acabar expondo as divergências internas das legendas. Segundo o presidente interino da União dos Vereadores do Paraná (Uvepar), Elói Kuhn (PTdoB), ''na maioria das vezes o político sai da legenda por perseguição política''. ''O 'cacique' da legenda chega na cidade e coloca o pessoal dele no comando local'', afirma. Para ele, as cassações são injustas. ''A maioria é gente simples que encara o desafio de entrar na política. Tem vereador aí que foi cassado e está completamente frustrado''.
A Uvepar entrou com um mandado de segurança no TSE em novembro último contra a resolução que trata da perda do mandato por infidelidade partidária. O caso chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas até agora não foi concluído.
O advogado da Uvepar no caso, Jonías de Oliveira e Silva, explica que a Uvepar questiona, por exemplo, o trecho da resolução que define que os julgamentos dos vereadores 'infiéis' devem ocorrer nos respectivos tribunais regionais eleitorais. O advogado argumenta que ninguém já passa para uma instância superior sem ter sido julgado antes pelo juiz local. ''Processo contra vereador deve iniciar lá na comarca. O tribunal regional julgaria os recursos contra a decisão primeira''.
Outro ponto questionado é o trecho da resolução que determina que cabe ao vereador se responsabilizar por levar suas eventuais testemunhas ao tribunal, em Curitiba. O advogado da Uvepar detalha que a Justiça Eleitoral não manda um oficial convocando a testemunha, o que dificulta a defesa do vereador. ''A testemunha é praticamente um voluntário'', reclama. Ele disse concordar com regras para o troca-troca partidário, mas enfatiza que a resolução é falha. ''Via de regra a mudança partidária ocorreu porque a legenda o abandonou. A gente não vê 'malas de dinheiro' sendo entregues para os vereadores mudarem de partido''.
O advogado conta que a Uvepar não tem estrutura para acompanhar todos os processos que correm no TRE, mas que o número de consultorias prestadas pela entidade ''cresceu muito''. ''Os vereadores ligam para tirar dúvidas. Mas durante o julgamento do processo no tribunal eles estão se virando, cada um por si''. (C.S.)
Continue lendo
14
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados