VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cadernos Especiais
17/06/2008

Canal Babel

Diversidade radical é o combustível da TV Comunitária, há 10 anos no ar

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Theo Marques
Produtores do Super Show tiram dinheiro do bolso para pagar o programa

Responda rápido. Onde convivem, juntos, socialites, roqueiros, místicos, políticos, pregadores e calouros, entre outras figuras? Acertou quem disse que todos eles se encontram nos canais 5 da NET e 72 da TVA. Ou melhor: na CWB TV, novo nome da TV Comunitária de Curitiba, que acaba de completar 10 anos de fundação.
PUBLICIDADE

  Atualmente, 53 atrações compõem a grade de programação do canal, disponível para consulta no site www.tvcomunitaria.org. Há de tudo um pouco, e os programas nem sempre são exibidos em blocos temáticos. O Espiritismo na TV antecede o Estilo & Glamour. Depois do Blindagem (capitaneado pela banda de rock homônima) vem o Presença e Harmonia. A astrologia do Quarta Dimensão dá lugar ao Ego, sobre estética e beleza. E por aí vai, numa salada que também inclui economia, política, negócios e assuntos de cunho social.
  Por lei, as operadoras de televisão por assinatura são obrigadas a ceder um canal para a comunidade local. O Brasil já conta com 80 tevês do gênero, com destaque para a de São Paulo e seus mais de 100 programas. Ainda assim, é um número pequeno se comparado ao de países como o Canadá, com quatro mil emissoras comunitárias.
  Nestas bandas, o espaço é gerido pela Associação das Entidades Usuárias de Canal Comunitário em Curitiba e Região Metropolitana. Um grupo para lá de heterogêneo, que reúne cerca de 50 entidades como o Núcleo de Pesquisas Ufológicas, a Sociedade Espírita Mensageiros das Paz, a Associação de Cultura de Rua Hip-Hop, o Sindicato dos Servidores Públicos de Agricultura e Meio Ambiente e a Igreja Quadrangular. Todas sem fins lucrativos e, pelo menos em tese, não ligadas diretamente a partidos políticos.
  Os associados pagam uma mensalidade de R$ 35, têm poder de voto nas assembléias e gastam menos para gravar e exibir seus conteúdos. A taxa de produção é de R$ 90 para atrações de 30 minutos. A de veiculação, R$ 2,50 o minuto. Mas apenas 30% das atrações da CWB TV, associadas ou não, utilizam os estúdios do canal. O restante entrega as fitas prontas para serem colocadas no ar.
  Com um custo mensal que beira os R$ 20 mil, a tevê não recebe verbas públicas e funciona numa casa cedida pela Pastoral da Criança. O staff é formado por seis profissionais contratados e ‘‘muitos estagiários’’, como explica o diretor de programação, Rafael Cury. Mais conhecido por sua atuação como ufólogo, ele ingressou na associação a convite dos amigos Wilson Picler (dono do grupo educacional Uninter) e Jorge Bernardi (vereador pelo PDT) – hoje presidente e secretário do canal, respectivamente. Pegou gosto pela coisa e não largou mais.
  Cury explica que a recente mudança de nome para CWB TV faz parte de uma estratégia para melhorar a divulgação do canal e, conseqüentemente, enriquecer a grade. ‘‘Ainda temos horários vagos, mas muita gente não sabe como é fácil fazer parte da programação’’, afirma. O plano ainda inclui uma campanha de marketing, prevista para o segundo semestre, e a promoção de cursos voltados aos técnicos e apresentadores.
  Por conta dessa acessibilidade, a tevê abriga atrações de qualquer espécie. Algumas delas, seja por falta de qualidade ou conteúdo, acabam ganhando um tom de comédia involuntária. O que torna a CWB TV uma parada obrigatória para os fãs da cultura trash.
  O programa do Centro Positivista, por exemplo, é a coisa mais anti-audiovisual de que se tem notícia. Sentando em um sofá, o apresentador septuagenário Pedro Mendonça passa meia hora lendo, de forma pausada, textos sobre a corrente de pensamento fundada por Auguste de Comte. E só. ‘‘Não há regras sobre o conteúdo dos programas. Proibimos apenas racismo, apologia às drogas e propaganda política’’, justifica Cury.
  Trash, porém assumido, o Super Show integra o bloco dos programas ao vivo. No ar desde agosto de 2007, é produzido por puro hobby por um grupo de jovens jornalistas e publicitários. ‘‘Não temos a preocupação de esconder nossas falhas’’, brinca o apresentador Edinei Giordani.
  Exibida todas as quintas, das 21 às 22 horas, a atração traz entrevistas no estúdio, matérias externas, vídeos caseiros, números musicais e até um quadro de calouros. A participação é aberta a qualquer artista. ‘‘Já colocamos muito lixo no ar, mas somos fiéis ao espírito do programa’’, diz o diretor Tramujas Júnior.
  A trupe, que já contabiliza 44 programas exibidos, custeia a produção com dinheiro do próprio bolso. Mas não cogita profissionalizar o Super Show. ‘‘A gente perderia a liberdade se fosse para um canal aberto. O grande barato é não ter compromisso com o Ibope e anunciantes’’, garante Giordani. É o lema punk ‘‘Faça Você Mesmo’’, só que em versão televisiva.
Omar Godoy
Equipe da Folha
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

LIGEIRAS

Dos sem-namorados

CENA

LEVITANDO NO ESTÁDIO

Interagindo

A Câmara dos Deputados aprovou a recriação da CPMF, com o nome de CSS. O que você acha disso?

Entre o Brasil e o Japão

Nos festejos dos 100 anos da chegada do Kasato Maru ao Brasil, 480 imigrantes com idades entre 70 e 101 anos são homenageados

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados