VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cadernos Especiais
17/06/2008

Briga de condomínio

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Quem acompanha pelo menos de relance a CWB TV percebe que o canal está diferente. O número de atrações aumentou, há mais espaço para entretenimento e alguns programas já têm qualidade técnica digna da tevê aberta. Mas um grupo de associados não vê a nova fase com bons olhos.

Em maio do ano passado, a então TV Comunitária ganhou o noticiário por conta de uma denúncia que chegou ao Ministério Público. Dez entidades, entre elas a CUT e o Sindicato dos Bancários, tiveram seus programas retirados do ar por falta de pagamento da taxa de veiculação. Os sem-tela alegavam que a cobrança era indevida, pois a Lei Federal da TV a Cabo denomina as televisões comunitárias como ''canais básicos de utilização gratuita''.
Após muita discussão, chegou-se a um acordo. O bloco divergente ficou isento de pagamento, mas teve seus programas reduzidos a 15 minutos de duração. ''Isso é uma esmola, uma falta de reconhecimento com quem ajudou a colocar o canal de pé'', reclama Laura Costa, presidente do Centro de Estudos, Defesa e Educação Ambiental (Cedea).
Uma das fundadoras da tevê, e ainda hoje integrante da diretoria, Laura afirma que a política de pagamento é apenas uma parte de sua crítica aos rumos que a CWB TV tomou a partir de 2005. ''O grupo majoritário, liderado pelo Jorge Bernardi e o pessoal do PDT, quer transformar o canal em uma empresa. A programação ficou na mão de empresários da educação, da comunicação e da fé. Perdeu-se os vínculos com a sociedade organizada verdadeiramente representativa'', lamenta.
Procurado pela reportagem, o vereador Jorge Bernardi negou qualquer tipo de interesse partidário por trás de sua atuação na tevê. Ex-presidente (entre 2003 e 2007), atual secretário e apresentador do talk-show Gestão Pública em Debate, ele afirma que o fato de figuras como Wilson Picler e Rafael Cury também militarem no PDT é ''quase uma coincidência''.
''Somos amigos e membros de movimentos filosóficos. Eu sou ligado à teosofia, o Rafael é ufólogo e o Picler representa o Nerf (Núcleo Editorial Realismo Fantástico)'', diz Bernardi. E completa: ''Meu programa recebe convidados de todas as áreas e partidos''.
Sobre a cobrança da taxa de veiculação, o vereador compara a associação que admnistra a CWB TV a um condomínio. ''Se todos contribuem com um pouco, podemos fazer muito. Não poderíamos continuar produzindo a tevê como antigamente. A qualidade era péssima''. (O.G.)
CONTINUE LENDO

Canal Babel

Diversidade radical é o combustível da TV Comunitária, há 10 anos no ar

LIGEIRAS

Dos sem-namorados

CENA

LEVITANDO NO ESTÁDIO

Interagindo

A Câmara dos Deputados aprovou a recriação da CPMF, com o nome de CSS. O que você acha disso?

Entre o Brasil e o Japão

Nos festejos dos 100 anos da chegada do Kasato Maru ao Brasil, 480 imigrantes com idades entre 70 e 101 anos são homenageados

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados