VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Segunda-feira, 24 de Julho de 2017
Cadernos Especiais
12/10/2008

AINDA DESCONHECIDOS - Cosméticos com cara de medicamentos

Conhecidos como dermocosméticos, produtos de beleza lidam com a vaidade e a saúde das pessoas ao mesmo tempo

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Rejuvenescedores, anti-acneícos, anti-sépticos, anti-celulíticos, redutores de manchas, protetores solares para o rosto e estabilizadores para pele oleosa ou seca. Eles compõem uma categoria curiosa, e ainda desconhecida do grande público: a dos cosméticos com propriedades de medicamentos. Encontrados em um espaço reservado dentro das farmácias, são populares entre consumidores e atendentes como dermocosméticos e lidam com a vaidade e a saúde das pessoas ao mesmo tempo.

''Depois que eu comecei a tratar minha acne com um dermocosmético específico elas diminuíram. Minha pele antes era muito oleosa. Também havia cravos em excesso. Ela aparentava estar envelhecida e isso não me deixava bonita'', conta Maria Aparecida Manso Mostaço. ''Houve realmente um resultado positivo. E com outros tratamentos eu não alcancei o desejado''.
Ela cruzou por acaso com um estande de demonstração de uma famosa marca e ficou de visitar a farmácia por recomendação de uma atendente. ''Uso uma loção adstringente e um retinóico. São para controlar a oleosidade da minha pele. Até recomendo para que minhas filhas comecem desde já, como uma forma de prevenção da acne e das rugas. Eu acho que o que facilitou foi o atendimento contínuo na farmácia, porque uso os produtos com o acompanhamento da dermoconsultora'', completa Maria Aparecida.
Isto foi há pouco mais de dois anos, quando ela fez os testes com uma atendente treinada para prestar orientações sobre as especificidades dos produtos e gostou. Cerca de 90% das opções disponíveis são para a pele do rosto. ''Os mais vendidos são para linhas de expressões como os cremes anti-envelhecimento e os tratamentos para acne'', conta Rosirene Ranuci, dermoconsultora que fez as primeiras orientações para Maria Aparecida.
''Ensino como limpar, reduzir a oleosidade e oriento a quantidade de vezes e qual a melhor forma de usar os dermos'', explica. E essa é a característica mais peculiar destes produtos: o serviço personalizado prestado por uma atendente de farmácia que é treinada para prestar informações sobre o uso dos dermocosméticos. Por causa desta peculiaridade, eles não podem ser vendidos em perfumarias, fato que lhes confere também a classificação de cosméticos éticos.
''Na prática, o cosmético atua apenas na camada córnea. A diferença é que o dermocosmético age com princípios ativos, com elaboração tecnológica mais avançada que consegue atingir a derme. Os pontos principais são a capacidade de absorção e seus resultados'', explica Rosirene, sobre as diferenças com relação aos demais tipos de cosméticos.
Coordenadora da equipe de dermoconsultoras da rede de Farmácias Vale Verde, onde trabalha desde 2000, Rosirene há dois se formou em Estética e atualmente termina uma pós-graduação em Cosmetologia. ''Na faculdade, você estuda cada princípio ativo dos cosméticos e toda a parte técnica. Tem que saber aonde ele vai agir, o que vai fazer. E quando se fala em mercado de trabalho, isso também tem reflexos em termos de salários'', detalha.
Aconselhamento
Segundo Mariana Ruiz, relações públicas da Divisão de Cosmética Ativa da L'Oréal, que atua focada nos dermocosméticos, o trabalho delas vem para suprir a falta de informações que a mulher brasileira possui sobre tratamentos de pele. ''Este tipo de aconselhamento na farmácia precisa ser mais completo que o das outras categorias de cosméticos. Como eles abordaram aspectos mais técnicos e apresentam produtos mais caros, normalmente acima de R$ 50, as chances de errar devem ser mínimas'', explica.
A maioria dos consumidores é do sexo feminino. Rosirene conta que a faixa etária de quem costuma procurar vai desde garotas de 15 até senhoras acima de 50 anos. ''As adolescentes até os 25 anos usam para combater a acne. Depois disso, elas começam a procurar para hidratação e nutrição, já pensando em prevenir as rugas. A partir dos 35 a preocupação delas é com as manchas provocadas pela exposição ao sol e os sinais da idade'', arremata.
Renato Oliveira
Especial para a Folha
NOTÍCIAS RELACIONADAS
CONTINUE LENDO

NA BATALHA - Senhoras de programa

No Centro de Curitiba, não há limite de idade entre as profissionais do sexo

Limite para a vaidade faz bem à saúde

Especialistas dizem que transformar o corpo em um rascunho passível de ser corrigid aponta para a dismorfia corporal

Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoteriasVídeos
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralEspecialCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados