VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Avenida Paraná
Escritor e jornalista. Mora desde 1989 em Londrina. Trabalhou em diversos jornais, revistas e assessorias. Assina a coluna diária Avenida Paraná, na Folha de Londrina. Autor dos livros de crônicas "Diário de Moby Dick" (em parceria com o pai, Paulo Lourenço), "Repórter das Coisas" e "Aos Meus Sete Leitores". Casado com a jornalista Rosângela Vale, pai do Pedro, paulistano de certidão, pé-vermelho de coração. Conservador em política, liberal em economia, católico em religião. Em suma, um cronista em busca dos seus sete leitores.
Fale com Paulo Briguet
07/11/2017
AVENIDA PARANÁ

Você não é bem-vinda, Judith Butler!

Jovem londrinense organizou petição nacional contra a poderosa rainha da ideologia de gênero


Shutterstock
Shutterstock


A petição pública que pede o cancelamento da palestra de Judith Butler no Brasil contava até ontem com mais de 360 mil assinaturas. O autor da petição contra a rainha branca da ideologia de gênero é um jovem tradutor e ensaísta londrinense. Feito um Davi armado com sua funda e cinco pedrinhas lisas, Bernardo Pires Küster enfrentou uma das intelectuais mais poderosas do planeta, obrigando-a dar respostas defensivas na mídia nacional e internacional. O cronista conversou com Bernardo:

Você esperava que a petição fosse tão longe?
Jamais achei que essa ação teria a adesão espontânea de mais de 350 mil brasileiros, que manifestaram seu profundo desapreço à vinda de Butler ao Brasil. Surpreendeu-me a proporção que tudo isso tomou, e, por outro lado, nem tanto. Ação semelhante ocorreu em 2014/2015 na rejeição quase absoluta da ideologia nos Planos de Educação (Nacional, Estadual e Municipal). Londrina também a excluiu, pelo menos nominalmente, de suas escolas. Veja, a confecção da petição, juntamente com Guilherme Ferreira, da CitizenGo Brasil, foi uma oportunidade dada novamente aos brasileiros de unificar e tornar pública sua posição em relação à ideologia de gênero. Direcioná-la especificamente a uma pessoa foi a novidade, por assim dizer.

O que você diria a quem o acusa de promover a censura?
Primeiro, é bom deixar claro. Não se trata de censura, pois não temos esse poder, esse meio de ação, ou seja, o poder de veto; nem de boicote, pois não tínhamos a menor intenção de participar da palestra, nem sequer seríamos bem-vindos. É um protesto, um grande e barulhento protesto, como há muito tempo não se via por aqui. A direita jujuba, os tais liberais de direita, acreditam piamente que é possível vencer uma batalha cultural e, portanto, política, unicamente combatendo ideias. Essa é toda a fraqueza do liberalismo: vivem no abstrato, no debate de ideais econômicos, em teorias de Estado, querem o bem da economia e abdicam do essencial, da moral, da religião e da cultura. Esse é um erro mastodôntico que vem sendo cometido há mais de 40 anos no Brasil.

Se você tivesse a oportunidade de encontrar a sra. Butler, de que forma lhe explicaria que ela não é bem-vinda ao Brasil?
A petição já não seria o bastante? Recentemente, em uma entrevista a uma revista progressista brasileira, ela afirmou que "não podemos impedir o exercício da liberdade, mas podemos — e devemos — reunir mais pessoas". Bem, estamos apenas seguindo o conselho dela. Espero que Butler reconheça que, numa democracia, o contraditório é fundamental. Explicaria a ela que sua ideologia não nasceu em solo brasileiro, não é fruto de reflexões nacionais e foi sempre rejeitada em todo o nosso território. Por que ela, que é a causa mais próxima dessa ideologia política, acha que passaria incólume? Judith Butler está na defensiva. Nós retiramos uma acadêmica da obscuridade de seu escritório em Berkeley, Califórnia, e a jogamos na praça pública de debates, na qual ela nunca esteve tão desconfortável e temerosa. Sra. Butler, você não é bem-vinda. Já causou danos demais ao nosso país.
por Paulo Briguet
30/11/2017
AVENIDA PARANÁ

Camisa rasgada

O padre entrou na missa carregando algo nas mãos. Era a consciência do nosso pecado

29/11/2017
IDENTIDADE

Cultura, patrimônio de Londrina

Quem controla a cultura controla o futuro. Por isso, é preciso que ela não seja dominada por pequenos grupos de interesse

28/11/2017
A CASA DA TOLERÂNCIA

A noite em que Olavo foi à UEL

Exibição do filme "O Jardim das Aflições" foi um sucesso e transcorreu sem incidentes

28/11/2017
AVENIDA PARANÁ

Pobre Clarice

O curioso caso do poema que Clarice Lispector não escreveu

27/11/2017

A língua dos aflitos

Cristo fala todos os idiomas. Inclusive o dos bêbados

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic