VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Avenida Paraná
Escritor e jornalista. Mora desde 1989 em Londrina. Trabalhou em diversos jornais, revistas e assessorias. Assina a coluna diária Avenida Paraná, na Folha de Londrina. Autor dos livros de crônicas "Diário de Moby Dick" (em parceria com o pai, Paulo Lourenço), "Repórter das Coisas" e "Aos Meus Sete Leitores". Casado com a jornalista Rosângela Vale, pai do Pedro, paulistano de certidão, pé-vermelho de coração. Conservador em política, liberal em economia, católico em religião. Em suma, um cronista em busca dos seus sete leitores.
Fale com Paulo Briguet
30/01/2017

Paulo Francis curtiu isso

Redes sociais dão voz a quem não tinha, quebram hegemonia esquerdista, ampliam participação no debate político e até geram tentativas de ressuscitar o fantasma da censura



Se Paulo Francis e Nelson Rodrigues vivessem hoje em dia, seriam youtubers e fariam grande sucesso em comentários no Facebook e no Twitter. Isso não os impediria de escrever os livros que escreveram, mas certamente ampliaria o alcance de suas opiniões. Nelson (nos anos 60 e 70) e Francis (nos anos 80 e 90) eram vozes praticamente solitárias do conservadorismo brasileiro, enquanto a esquerda, no período compreendido entre a ditadura militar e a redemocratização, adotava a estratégia de ocupar espaços nas instituições culturais e midiáticas do país. Tipos como Francis e Nelson acabaram se tornando verdadeiros ETs, vozes do exílio no habitat cultural dominado por esquerdistas.

Nasci em 1970. Na minha geração, todos os espaços de debate público — jornais, universidades, igrejas, mercado editorial — eram hegemonicamente dominados pela esquerda. Direitistas, os raros que havia, eram como bichos de outro mundo: um Merquior, um Corção, um Roberto Campos, além dos dois mitos já citados. A primeira rachadura séria nesse sistema foram os livros "A Nova Era e a Revolução Cultural" e "O Imbecil Coletivo", publicados pelo filósofo paulista Olavo de Carvalho nos anos 90. O establishment esquerdista ficou de queixo caído, perplexo, mais perdido que cebola em salada de frutas.

Mas a grande contrarrevolução midiática viria mesmo na primeira década do novo século, com o advento da internet e das redes sociais. O professor e escritor Percival Puggina, de Porto Alegre, viveu essas transformações e comenta em artigo recente: "No momento em que a internet se massificou e ocorreu a explosão das redes sociais (tão atacadas, nessas recentes críticas, como território ‘da direita’), democratizou-se o conhecimento e a Universidade perdeu sua função de grã-sacerdotisa do saber filosófico e da interpretação da história. De modo sutil, acontecia uma revolução do saber. A internet e as redes sociais, Olavo de Carvalho e seus cursos, cortavam os cabelos de Sansão e faziam emergir um grande número de novos autores e formadores de opinião que encontraram os meios de chegar ao público, multiplicando nas redes o conhecimento produzido por gigantes do pensamento até então jogados às traças nos desvãos das bibliografias e bibliotecas acadêmicas".

Hoje posso dizer, sem medo de exagerar, que esses autores, de viés conservador e liberal, raras vezes socialdemocrata, constituem fontes importantíssimas do meu trabalho jornalístico e intelectual. E confesso a vocês: graças a eles, erro muito menos. Pense o leitor nas barrigas jornalísticas que a velha mídia nacional e internacional colecionou durante o último ano. A acreditar na maioria dos veículos de grandes centros, não haveria impeachment; o Petrolão não passaria de uma intriga de opositores; a Lava Jato nunca prenderia Cunha; o Reino Unido continuaria na Comunidade Europeia; a Colômbia teria aprovado o acordo de paz com as Farc; Dória e Crivella jamais seriam prefeitos; e Hillary estaria confortavelmente instalada no salão oval da Casa Branca. Só que deu ruim — ao menos para quem acreditou em tudo isso.

Para o antropólogo Flavio Gordon, um dos perfis que sigo no Facebook (todos os citados nesta matéria estão no mesmo caso), a esquerda brasileira, e por conseguinte os veículos de comunicação dominados por ela, perdeu o contato com a realidade. "Com isso, a mídia esquerdista não enxergou em tempo hábil a ameaça representada pelas redes sociais". Caso raro de intelectual que migrou de uma bem-sucedida carreira universitária para a liberdade das redes sociais, Gordon afirma que a internet pôs fim ao isolamento das pessoas incomodadas com o discurso único de esquerda. "Essas pessoas não tinham, até então, noção de seu número e de sua força. Percebendo que não estavam sozinhas, começaram a criar coragem para se expressar, investindo em blogs, sites, comunidades do FB, etc." A força das redes sociais pode ser vista hoje pela atenção que os políticos e governantes dão ao que se passa no ambiente virtual. "É como se, enquanto os antigos meios de comunicação operassem em progressão aritmética, as redes sociais operassem em progressão geométrica", compara Gordon.

Um fenômeno da internet é o comentarista Filipe G. Martins, que deu um baile em toda a imprensa brasileira e acertou o resultado das eleições presidenciais americanas em 46 dos 50 estados. Se Paulo Francis estivesse vivo, gravaria um vídeo ironizando: "O menino errou em quatro; a velha mídia caiu de quatro". Filipe sabe que o domínio ainda exercido pela esquerda na mídia nacional. "Não há qualquer exagero na afirmação de que o ideal gramsciano de elevar o esquerdismo em ‘autoridade onipresente e invisível’ foi realizado em nosso país", observa. "De todo modo, apesar de ainda enxergar um cenário negativo, é incontestável que as coisas melhoraram muito e que a esquerda hoje não fala mais sozinha."

A professora e escritora paulistana Paula Rosiska, colunista do excelente site Senso Incomum, diz que definitivamente "se rasgou o véu do templo", ou seja, o antigo status de detentores da verdade não pertence mais aos artistas, jornalistas e acadêmicos com espaço na velha mídia. "Atualmente, os sites de humor político levam muito mais jovens a estudarem história e a questionarem os fatos do que qualquer professor doutrinador. O esquerdista hoje não seduz. É carrancudo, tem aparência descuidada, só fala em clichês que qualquer um nota estarem longe da realidade. A vitória acachapante do Dória em São Paulo e mesmo do Crivella no Rio comprovam que os artistas e a imprensa não elegem mais ninguém."

O advogado Taiguara Fernandes de Sousa tem sido um dos mais ativos críticos do discurso hegemônico da grande mídia, sobretudo no campo jurídico, que é a sua especialidade. "As redes sociais deram voz a quem não tinha e criaram meios alternativos de difusão de informação. Acompanho essa mudança desde o antigo Orkut e o surgimento do Blogger. Comunidades eram canais onde se podia discutir e contestar notícias; nos blogs, qualquer um poderia trazer uma notícia de outra fonte, escrever suas próprias análises, dar uma visão diversa. O True Outspeak, programa de rádio virtual de Olavo de Carvalho, formou toda uma geração mostrando o outro lado da notícia; eu descobri todo um mundo ali." Com o surgimento do Twitter e do Facebook, a velocidade de informação e de conferência de notícias passou a ser outra. No Facebook, as potencialidades só aumentaram: qualquer um, num perfil ou página, podia dar uma versão diversa da mídia oficial e ser, talvez, mais compartilhado que ela mesma. Com o advento dos smartphones, então, tudo ficou mais fácil e rápido. Tive exemplo claro disso em 2015 e 2016, anos nos quais acompanhei as manifestações, a Lava Jato e o impeachment com o celular na mão, escrevendo análises das ruas, do sofá, de onde fosse necessário."

A revolução das redes sociais fez ruir o monopólio da mídia dos grandes centros e feriu de morte a hegemonia esquerdista no debate político. Abriu espaço para novos mitos, figuras legendárias como o carioca Alexandre Archer, um dos mais afiados "zuêros" do Facebook e do Twitter, que diariamente combina doses pequenas, mas letais, de ironia e independência na avaliação das notícias e do ambiente cultural. Ele comemora o fim da dominação socialista na comunicação. E sentencia: "Já tínhamos razão, agora também temos voz. Ninguém segura. Mas é claro que ainda demora um pouco até que a capilaridade da nossa narrativa seja plena. Tenho visto o choro da esquerda. Está bonito".

Para não dizer que só falei da direita, ouvi dois amigos escritores, ambos londrinenses, que costumo acompanhar nas redes sociais, mesmo que nem sempre concorde com suas opiniões. O humorista e escritor Marcio Américo diz que realmente existiu um domínio da esquerda nos debates ao longo dos anos 70 e 80. "Nunca se debateu tanto como naquela época. Mas o fato é que havia uma ditadura de esquerda, não havia nos meios que eu frequentava alguém assumidamente de direita, daí que as pautas eram repetitivas e óbvias". Mas Márcio não compartilha do otimismo com as redes sociais na atualidade: "Tanto a esquerda quanto a direita ainda ostentam uma retórica de ódio, intolerância e acima de tudo incompreensão. Meu conselho para quem quer debater política: afaste-se das redes sociais".

O médico e escritor Marco Antonio Fabiani vê vantagens no uso das redes sociais para o debate político. "Em princípio, todo debate que se amplia é bom. E a rede não é uma plataforma neutra, pode-se fazer bom ou mau uso dela. Embora muitas vezes a qualidade do debate caia muito, considero melhor que as pessoas expressem suas opiniões, mesmo que choquem, do que elas carregarem isso consigo mesmas." Fabiani, assim como Marcio Américo, é frontalmente contrário a qualquer tipo de censura e controle de conteúdo na internet. "Com todas as ressalvas, as redes são um bom espaço de debate. Censura seria a pior coisa", diz o médico-escritor.

E, no entanto, o fantasma da censura paira sobre a internet. Governos e poderosos grupos de pressão se mobilizam que o Google, o Facebook e o Twitter exerçam maior controle sobre o que eu e você falamos nas redes sociais. "Querem tratar os usuários da internet como bebês incapazes de discernir a mão direita da mão esquerda, e entregar o controle das informações a veículos da grande mídia que nunca hesitaram em emplacar narrativas que possam contribuir com as pautas prediletas da esquerda", analisa Filipe G. Martins. Em outras palavras, os mandachuvas da mídia mundial, desesperados com suas derrotas em 2016, querem impor sobre nossos posts um controle digno de um romance de George Orwell.

Não curti isso. Francis e Nelson também não curtiriam.

Fale com o colunista: avenidaparana @ folhadelondrina.com.br


Shutterstock
Shutterstock

31/01/2017

Seja Presidente, Temer!

Uma carta em defesa de Ives Gandra Martins Filho no STF

31/01/2017

Filhos da UEM

Chapa Acelera UEM supera grupos esquerdistas e promete novos rumos para movimento estudantil em Maringá

30/01/2017

DCE sem luta de classes

Filhos da UEM vencem eleições no campus de Maringá e tomam posse hoje

28/01/2017

A cidade da saudade

Hoje percebo que já sentia saudade de Londrina antes mesmo de conhecer Londrina

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic