VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Avenida Paraná
Escritor e jornalista. Mora desde 1989 em Londrina. Trabalhou em diversos jornais, revistas e assessorias. Assina a coluna diária Avenida Paraná, na Folha de Londrina. Autor dos livros de crônicas "Diário de Moby Dick" (em parceria com o pai, Paulo Lourenço), "Repórter das Coisas" e "Aos Meus Sete Leitores". Casado com a jornalista Rosângela Vale, pai do Pedro, paulistano de certidão, pé-vermelho de coração. Conservador em política, liberal em economia, católico em religião. Em suma, um cronista em busca dos seus sete leitores.
Fale com Paulo Briguet
31/10/2017
RECONHECIMENTO

O maior prêmio de um cronista

O pai e a mãe de Marcinho vão olhar a crônica na parede e lembrar que o filho deles era uma pessoa querida


Shutterstock
Shutterstock


Acabo de receber o maior prêmio que um escritor poderia almejar. Não é o Nobel, nem o Camões, nem o Machado de Assis, muito menos o Jabuti. É apenas um quadro na parede de uma casa de família.

Este cronista de sete leitores tem a honra de anunciar que a sua "Carta a um amigo que foi tão cedo", publicada há alguns dias em homenagem a Márcio Araujo, foi emoldurada por seus pais e colocada na parede da residência da família. Desse modo, o pai e a mãe de Marcinho poderão reler aquelas palavras, olhar aquela fotografia e mais uma vez saber que o filho deles era uma pessoa querida e inesquecível.

Antonio Candido escreveu certa vez: "Não se imagina uma literatura feita de grandes cronistas, que lhe dessem o brilho universal dos grandes romancistas, dramaturgos e poetas. Nem se pensaria em atribuir o Prêmio Nobel a um cronista, por melhor que fosse. (...) ‘Graças a Deus’, seria o caso de dizer, porque sendo assim ela fica perto de nós’".

Talvez alguns amigos conservadores estejam surpresos com o fato de eu citar Candido, um autor de esquerda, mas o que ele disse é a pura verdade. A glória do cronista é a glória da pequenez, da simplicidade, da proximidade. Meu Nobel consiste em saber que amainei, ainda que minimamente, a dor no coração de um pai e uma mãe que perderam seu filho amado. Eis, para mim, a glória a que Machado de Assis se refere numa famosa frase reproduzida na sede da Academia Brasileira de Letras — "Esta a glória que fica, eleva, honra e consola".

Se o que você procura é dinheiro ou poder, aconselho que não se torne um escritor, muito menos um escritor de crônicas. Se você quer uma vida tranquila, sem conflitos ou discussões, a atividade literária também não é aconselhável. Você só deve se dedicar à escrita se possui um amor incondicional pelo idioma e o considera uma estrada para alcançar a verdade — dia após dia, sem descanso, sem concessões.
No final da vida, o poeta e contista americano Raymond Carver (1938-1988) comentou numa entrevista um de seus mais famosos versos: "Todo poema é um poema de amor". Carver disse à entrevistadora:

— Todo poema é um ato de amor, e de fé. Existe tão pouca recompensa para a escrita da poesia, seja monetária ou em termos de fama e glória, que o ato de escrever um poema tem de ser um ato que se justifique em si mesmo e realmente não possua nenhum outro objetivo em vista. Para querer fazê-lo, você realmente precisa amar fazê-lo.

Não sei se Carver já sabia estar doente à época em que concedeu essa entrevista. Mas considero sua resposta como uma profissão de fé na literatura, muito mais potente e profunda do que a adesão a qualquer causa ideológica ou mercadológica. Às vésperas da morte, ele pôde escrever aquilo que todo escritor gostaria de escrever ao final da jornada:

"E você teve o que queria
desta vida, apesar de tudo?
Tive.
E o que você queria?
Dizer que fui amado, me sentir
amado sobre a terra".
por Paulo Briguet
31/10/2017

John Updike e o financiamento público da cultura

Reflexões do escritor americano sobre um tema importante da atualidade

30/10/2017
RESISTÊNCIA

A escravidão total

Ataques à família, à religião cristã e aos valores nacionais são passos para a instauração da pior de todas as ditaduras

28/10/2017
ADMIRAÇÃO

O casamento do mestre

Uma homenagem ao meu amigo Júlio Tanga, doutor das leis e das palavras

27/10/2017

A alma ordenada

Nos momentos de crise e confusão, o primeiro passo é ordenar a própria alma

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic