VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Avenida Paraná
Escritor e jornalista. Mora desde 1989 em Londrina. Trabalhou em diversos jornais, revistas e assessorias. Assina a coluna diária Avenida Paraná, na Folha de Londrina. Autor dos livros de crônicas "Diário de Moby Dick" (em parceria com o pai, Paulo Lourenço), "Repórter das Coisas" e "Aos Meus Sete Leitores". Casado com a jornalista Rosângela Vale, pai do Pedro, paulistano de certidão, pé-vermelho de coração. Conservador em política, liberal em economia, católico em religião. Em suma, um cronista em busca dos seus sete leitores.
Fale com Paulo Briguet
31/10/2017

John Updike e o financiamento público da cultura

Reflexões do escritor americano sobre um tema importante da atualidade


Em 1978, o escritor americano John Updike (1932-2009) foi convidado a falar durante uma audiência do Congresso dos Estados Unidos onde se discutia o financiamento público das artes e da literatura. A uma distância de quase 40 anos, as palavras do autor de "Na Beleza dos Lírios" contêm reflexões que podem ser aplicadas à nossa realidade atual:

"É da essência do governo a preocupação pelo mais amplo interesse público possível; e é da essência das humanidades, parece-me, o estudo individual, o pensamento, o raciocínio e a paixão. A publicidade é tão essencial no primeiro caso quanto a privacidade no segundo. Poderão ambos domínios ser associados sem distorções?"

"Amo o meu governo no mesmo grau e medida em que ele me deixa em paz."

"Minha ambição pessoal tem sido simplesmente viver pelo trabalho da minha pena. Não é uma ambição de muitos melindres e, se soubesse que uma grande quantidade de verbas do governo estaria disponível aos que trabalham com a palavra escrita, eu procuraria ter acesso a elas. Contudo, prefiro ter como patrono uma hoste de cidadãos anônimos que tiram dinheiro de seus próprios bolsos para comprar um livro ou uma revista do que um pequeno corpo de indivíduos esclarecidos e responsáveis administrando fundos públicos. Prefiro arriscar que minha visão pessoal da verdade atinja alguém aqui e ali no caos editorial existente do que tentar filtrá-la através de alguns conjuntos de escrúpulos oficiais de espírito honradamente público."

"Onde prevalece uma escala governamental, um único equilibrista torna-se um circo, e a quantidade confunde-se com a qualidade."

"O perigo [do patrocínio público] não é tão óbvio quanto a censura direta. Numa família onde todos os filhos recebem bombons regularmente, negar este prêmio torna-se uma reprimenda. Um totalitarismo cultural impõe-se através de tais negações mais frequentemente do que com penalidades ostensivas. Já existe no mundo acadêmico uma arte altamente desenvolvida de conceder bolsas e distribuir verbas; os campos da pesquisa científica estão hoje inextricavelmente envolvidos com fundos governamentais. Não é razoável temer que as humanidades e as artes possam se tornar similarmente dependentes?"

"Se tento pensar nos autores que, no último século, mais brilhantemente iluminaram nosso senso de humanidade — que eu tomo como sendo o propósito final das humanidades —, eu penso em Freud e Kafka, em Proust e Joyce, em Whitman e Henry James, e pergunto-me: quantos desses espíritos corajosos, estranhos e obstinados teriam obtido um subsídio de seus governos?"

"Eu acredito que, com o passar do tempo, um governo pode vir a acalentar a herança cultural de uma nação, depois de seus criadores estarem seguramente mortos e em perspectiva. Mas, no presente vivo, como é que políticos instados a distribuir o dinheiro dos impostos podem não começar a pensar em ‘diretrizes’ que insidiosamente irão se aproximando da censura? Se o dinheiro governamental tornar-se uma presença cada vez mais importante no financiamento das humanidades, não existe o perigo, pergunto respeitosamente, de os humanistas tornarem-se lobbystas, e de as estratégias da política substituírem as estratégias da mente?"
31/10/2017
RECONHECIMENTO

O maior prêmio de um cronista

O pai e a mãe de Marcinho vão olhar a crônica na parede e lembrar que o filho deles era uma pessoa querida

30/10/2017
RESISTÊNCIA

A escravidão total

Ataques à família, à religião cristã e aos valores nacionais são passos para a instauração da pior de todas as ditaduras

28/10/2017
ADMIRAÇÃO

O casamento do mestre

Uma homenagem ao meu amigo Júlio Tanga, doutor das leis e das palavras

27/10/2017

A alma ordenada

Nos momentos de crise e confusão, o primeiro passo é ordenar a própria alma

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic