VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Avenida Paraná
Escritor e jornalista. Mora desde 1989 em Londrina. Trabalhou em diversos jornais, revistas e assessorias. Assina a coluna diária Avenida Paraná, na Folha de Londrina. Autor dos livros de crônicas "Diário de Moby Dick" (em parceria com o pai, Paulo Lourenço), "Repórter das Coisas" e "Aos Meus Sete Leitores". Casado com a jornalista Rosângela Vale, pai do Pedro, paulistano de certidão, pé-vermelho de coração. Conservador em política, liberal em economia, católico em religião. Em suma, um cronista em busca dos seus sete leitores.
Fale com Paulo Briguet
10/11/2017
AVENIDA PARANÁ

Holocausto comunista

Festejar os 100 anos da Revolução Russa é tão absurdo quanto comemorar a ascensão do nazismo


Shutterstock
Shutterstock


Nos últimos dias tenho visto, especialmente no meio universitário, diversas celebrações à Revolução Russa, o golpe liderado por Lênin e Trotsky há cem anos e início do maior genocídio da história. É um absurdo tão grande quanto celebrar a ascensão de Hitler ou o Holocausto. Para marcar a data, selecionei algumas frases retiradas do livro "O Diabo na História", de Vladimir Tismaneanu, que ajudam a explicar o flagelo do comunismo:

"Lênin não foi apenas o fundador da propaganda política, o sacerdote supremo de uma nova eclesiologia do partido infalível onisciente, mas também o demiurgo do sistema do campo de concentração e o apóstolo do terror universal." (Vladimir Tismaneanu)

"Quem quer que tente destruir a unidade do estado socialista, quem quer que procure a separação de qualquer uma de suas partes ou nacionalidades — esse homem é um inimigo. Destruiremos cada um desses inimigos, mesmo se ele for um velho bolchevique; destruiremos todos os seus parentes, sua família." (Georgi Dimitrov, 1937)

"Aprendi muito com o marxismo, como não hesito em reconhecer. Não quero dizer com sua doutrina social enfadonha ou com a concepção materialista da história (...). Aprendi com seus métodos. (...) Todo nacional-socialismo é baseado nele." (Adolf Hitler, 1939)

"O projeto comunista estava baseado precisamente na convicção de que certos grupos sociais eram irreparavelmente estranhos e mereciam ser assassinados." (Vladimir Tismaneanu)

"Temos de arrastar conosco 90 milhões dos 100 milhões de habitantes da Rússia soviética. Quanto ao resto, não temos nada que dizer-lhes. Eles têm de ser eliminados." (Grigory Zinoviev, 1918)

"Para massacrá-los, foi necessário proclamar que os kulaks [camponeses ‘ricos’] não eram seres humanos. Assim como os alemães proclamaram que os judeus não eram seres humanos. Assim fizeram Lênin e Stálin: kulaks não são seres humanos. Mas isso é uma mentira. Eles são pessoas! Eles são seres humanos!" (Vassili Grossman)

"Os sistemas nazista e stalinista devem ser comparados, não tanto para compreendermos um ou outro, mas para compreendermos nossos tempos e a nós mesmos." (Timothy Snyder)

"Abomino o comunismo assim como detesto o nazismo. Já não me impressiona o argumento que invoquei outrora para distinguir o messianismo de classe daquele do mesmo messianismo de raça invocado por este." (Raymond Aron, 1983)

"Os regimes comunistas não apenas cometeram atos criminosos (todos os estados às vezes o cometem); eram empresas criminosas em sua própria essência: em princípio, por assim dizer, eram governados sem lei, pela violência, e sem preocupação pela vida humana." (Martin Malia)

"A ditadura revolucionária do proletariado é poder obtido e mantido através do emprego da violência pelo proletariado contra a burguesia, poder que não é limitado por nenhuma lei." (Vladimir Lênin, 1918)

"Esta mulher está doente,
esta mulher está sozinha.
O marido morto, o filho preso.
Digam por uma oração."
(Anna Akhmátova, 1938)
por Paulo Briguet
18/11/2017
AVENIDA PARANÁ

Memórias do Centro Comercial

Um lugar que está no coração de Londrina e de muitos londrinenses

17/11/2017
AVENIDA PARANÁ

A galinha empreendedora

15/11/2017
AVENIDA PARANÁ

Nossa Senhora da Família

A família é a nossa verdadeira república: a única forma de vencer os males ideológicos de nosso tempo

14/11/2017
BODE EXPIATÓRIO

Somos todos Morgenstern

Da disputa entre o ex-compositor e o jovem escritor, depende o futuro da liberdade de expressão no Brasil

13/11/2017
INTELECTUAL PARANAENSE

Pérolas de sabedoria

Reflexões do professor José Monir Nasser, um dos maiores gênios da nossa terra

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic