VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Avenida Paraná
Escritor e jornalista. Mora desde 1989 em Londrina. Trabalhou em diversos jornais, revistas e assessorias. Assina a coluna diária Avenida Paraná, na Folha de Londrina. Autor dos livros de crônicas "Diário de Moby Dick" (em parceria com o pai, Paulo Lourenço), "Repórter das Coisas" e "Aos Meus Sete Leitores". Casado com a jornalista Rosângela Vale, pai do Pedro, paulistano de certidão, pé-vermelho de coração. Conservador em política, liberal em economia, católico em religião. Em suma, um cronista em busca dos seus sete leitores.
Fale com Paulo Briguet
12/08/2017

As mãos do meu pai

Somos a soma das mãos que vieram antes de nós


Shutterstock
Shutterstock


Existe uma fase na vida do menino em que ele tem vergonha de parecer muito ligado ao pai. Meu pai sempre ignorou solenemente essa vergonha. Lembro que eu já crescido, com 11 ou 12 anos, ele pegava na minha mão para atravessar a rua. Não tinha essa conversa de "deixa que eu sei atravessar sozinho, pai". Atravessar a rua era de mão dada, e fim de papo. Ele era um superprotetor assumido.

O tempo passou, e eu me acostumei; na hora de atravessar a rua, dava a mão a ele espontaneamente. Por fim, a coisa se tornou engraçada: eu já homem feito, com mais de 30 anos, buscava sua mão nas esquinas da vida.

Até que um dia meu pai ficou doente. E então eu percebi que os papéis se inverteram: eu é que o conduzia, eu é que o protegia contra os perigos do mundo.

Quando penso nas mãos de meu pai, penso em tudo que ele criou, carregou, moldou, protegeu e suportou durante seus 67 anos de vida. Eram mãos até bonitas, mãos escuras de habitantes do deserto espanhol (seus antepassados eram da Múrcia), mãos amarelecidas por décadas de tabaco. Mãos que sabiam fazer contas, escrever crônicas, dar o nó na gravata, jogar sinuca com maestria e, sobretudo, apontar caminhos para aqueles que amava. Mãos que carregaram livros a mancheias, mãos que me pegaram no colo pela primeira vez, mãos que todos os dias percorriam as páginas do jornal em busca das notícias. Mãos que me ensinaram a andar, a nadar, a acolher. Mãos que plantaram amor e colheram saudades. Ah, que saudade eu tenho das mãos de meu pai!

Às vezes eu sonho com elas. Meu pai sempre aparece silencioso nos meus sonhos. A exemplo de São José, o pai adotivo de Jesus, ele não diz uma só palavra. Mas, também à semelhança de José, o mais importante destes sonhos não é o dito, mas o feito. Meu pai se comunica com suas mãos silenciosas, exprime tudo aquilo que a linguagem meramente humana e fônica não consegue alcançar. As mãos de meu pai hoje falam o idioma da eternidade.

Meu pai se chamava Paulo, meu avô se chamava Briguet, meu bisavô se chamava Antônio. Meu nome, não por acaso, é Paulo Antônio Briguet. Sou uma espécie de soma daqueles três pares de mãos. As mãos do meu pai bancário, as mãos do meu avô pintor de carros e juiz de futebol, as mãos do meu bisavô maquinista de trem e menino português de sete anos, deixado sozinho no Brasil. As mãos que faziam cálculos financeiros, as mãos que marcavam faltas e pênaltis, as mãos que conduziam o expresso da noite na Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. Esses três homens — Paulo, Antônio, Briguet — descansam seus corpos e suas mãos fatigadas lado a lado, no Jardim da Saudade, em Araçatuba. Mas eu sei que eles não estão ali. As mãos de meus pais hoje repousam na mão do Pai. E, quando vejo as mãos de meu filho, tão parecidas com a do avô que ele não conheceu, penso que o Céu deve ser parecido com um Dia dos Pais sem fim.

Fale com o colunista: avenidaparana @ folhadelondrina.com.br
por Paulo Briguet
31/08/2017

O esquerdista arrependido

No hospital em que eu nascia, um terrorista traído pelos companheiros se entregava à polícia

30/08/2017
Olhai os ipês

As árvores de Deus

Os ipês florescem por toda a cidade, pois Deus sabe que nós precisamos de todas as cores

29/08/2017
Linha divisória entre o bem e o mal

Reflexões sobre a ideologia

A maldade ideológica na visão de quatro escritores: Nelson Rodrigues, Gilberto Freyre, Jorge Amado e Soljenítsin

28/08/2017
PAULO BRIGUET

A noite em que nasci londrinense

Discurso de recebimento do título de cidadão honorário de Londrina

28/08/2017

O irmão gêmeo do Beto

Confissões de um cidadão míope que não consegue enxergar nem os próprios amigos!

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados