VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Avenida Paraná
Escritor e jornalista. Mora desde 1989 em Londrina. Trabalhou em diversos jornais, revistas e assessorias. Assina a coluna diária Avenida Paraná, na Folha de Londrina. Autor dos livros de crônicas "Diário de Moby Dick" (em parceria com o pai, Paulo Lourenço), "Repórter das Coisas" e "Aos Meus Sete Leitores". Casado com a jornalista Rosângela Vale, pai do Pedro, paulistano de certidão, pé-vermelho de coração. Conservador em política, liberal em economia, católico em religião. Em suma, um cronista em busca dos seus sete leitores.
Fale com Paulo Briguet
30/10/2017
RESISTÊNCIA

A escravidão total

Ataques à família, à religião cristã e aos valores nacionais são passos para a instauração da pior de todas as ditaduras




Em Cambé, uma escola estadual promove entre os alunos uma nefasta exposição, com apologia do aborto e do suicídio, ofensas à fé popular e vilipêndio de símbolos religiosos.

Em São Paulo, uma criança de quatro anos é estimulada pela própria mãe a tocar em um homem nu.

Em Porto Alegre, uma exposição frequentada por crianças em idade escolar naturaliza a pedofilia e zoofilia, ao mesmo tempo em que faz o vilipêndio de imagens cristãs.

Em Londrina, um peladão apresenta-se à beira do lago.

Em Recife, a exibição de um filme sobre o maior filósofo brasileiro vivo gera reações violentas de militantes esquerdistas.

Em São Paulo, uma acadêmica americana vem promover uma ideologia perversa, totalitária e rejeitada pela grande maioria da população.

Todos os fatos mencionados acima guardam íntima relação entre si. Estejam os envolvidos conscientes ou não, eles servem como instrumentos para instauração de um regime autoritário como jamais se viu na história: a ditadura global. O sonho de Lênin, Hitler, Stálin e Mao.

Da mesma forma que no período entreguerras os inimigos-irmãos comunismo e fascismo disputavam entre si a primazia sobre o mundo, hoje temos três grandes forças que buscam dominar a humanidade: os globalistas americanos e europeus; o bloco russo-chinês (herdeiro do comunismo clássico); e o califado universal.

Com algumas diferenças entre si, os três blocos perseguem os mesmos objetivos:

1. Um único governo mundial, com um único mercado globalizado, um único exército e uma única moeda;
2. Destruição de todas as identidades nacionais;
3. Fim da classe média;
4. Controle absoluto da mídia e da opinião pública;
5. Uma sociedade pós-industrial de crescimento zero, para destruir os vestígios de prosperidade;
6. Divisão da população entre uma pequena elite de governantes e uma grande massa de escravos;
7. Redução da população mundial com a morte de 4 bilhões de pessoas ("estômagos inservíveis"), por meio de guerras, crimes, fomes, doenças, disseminação do aborto, liberação das drogas, controle da natalidade e ideologia de gênero;
8. Crises artificiais para manter as pessoas em perpétuo estado de desequilíbrio físico, mental e emocional;
9. Controle férreo sobre a educação com o objetivo de destruí-la;
10. Destruição de todas as religiões judaico-cristãs;
11. Criação de um Estado de bem-estar socialista onde serão recompensados os escravos obedientes e exterminados os não conformistas.

O que me dá esperança é saber que as pessoas comuns – eu, você e a maioria absoluta da população – estamos resistindo, ainda que isso nos torne alvos de toda sorte de ofensas, retaliações e risadas sarcásticas.

As três grandes forças globais precisam destruir, a qualquer custo, os três bastiões que ainda resistem à escravização completa da humanidade. São eles o cristianismo, a família e as identidades nacionais. As elites globais têm dinheiro, poder, armas e meios de ação. Mas nós temos Deus.

A vitória final é nossa.

Fale com o colunista: avenidaparana @ folhadelondrina.com.br
por Paulo Briguet
31/10/2017

John Updike e o financiamento público da cultura

Reflexões do escritor americano sobre um tema importante da atualidade

31/10/2017
RECONHECIMENTO

O maior prêmio de um cronista

O pai e a mãe de Marcinho vão olhar a crônica na parede e lembrar que o filho deles era uma pessoa querida

28/10/2017
ADMIRAÇÃO

O casamento do mestre

Uma homenagem ao meu amigo Júlio Tanga, doutor das leis e das palavras

27/10/2017

A alma ordenada

Nos momentos de crise e confusão, o primeiro passo é ordenar a própria alma

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic