VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sábado, 24 de Junho de 2017
MARCOS J. G. RAMBALDUCCI
Marcos J. G. Rambalducci é professor doutor da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná) e consultor econômico da Acil (Associação Comercial e Industrial de Londrina).
Fale com MARCOS J. G. RAMBALDUCCI
12/06/2017

ECONOMIA NOSSA DE CADA DIA


É alto o comprometimento de renda da família londrinense
O número de consumidores londrinenses que se declaram com a renda comprometida com dívidas como cartão de crédito, cheque especial e prestação da casa própria é de 65,7% enquanto que a média nacional é de 57,6%.

A PEIC Londrina
Esta Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - PEIC, realizada trimestralmente pela Empresa Junior de Engenharia de Produção da UTFPR, campus Londrina, aponta que, embora tenha havido uma redução de 4% no grau de comprometimento da renda na comparação com a pesquisa anterior (fev/2017), ela ainda é significativamente superior à média brasileira em pelo menos 8 pontos percentuais.

Renda comprometida e contas em atraso
Daqueles que se declaram com dívidas, 36% se consideram muito endividados enquanto 19,1% se dizem pouco endividados. No entanto, mais de 40% dos consumidores com algum tipo de dívida estão com alguma conta em atraso.

E sem condições de pagá-las
Mas chama a atenção que, do total de consumidores com contas em atraso e que não conseguirão regularizá-las dentro do mês é de 39,8%, ou seja, daqueles que se declaram com dívidas, um em cada seis consumidores estão na condição de inadimplência.

Quando comparado este indicador de Londrina com os números nacionais, vemos que a situação de nossos consumidores é significativamente mais grave.

Na pesquisa da Confederação Nacional do Comércio (CNC), o número de consumidores com contas em atraso é de 24,2% e destes 39% deixarão de pagar alguma das contas em atraso, ou seja um em cada dez consumidores que têm dívidas não conseguirão regularizar sua situação.

E são aqueles com renda superior a dez salários
Outro ponto interessante de se observar nesta pesquisa, é que, diferentemente da pesquisa nacional, aqui em Londrina são as famílias com renda superior a dez salários mínimos que estão com mais dificuldade em saldar seus compromissos.

Enquanto mais da metade das famílias com renda de até dez salários mínimos conseguirão reequilibrar suas contas pagando o atrasado, somente 20% das famílias com renda acima de dez salários mínimos é que poderão regularizar as contas em atraso.

Cartão de Crédito é o vilão
O pivô do endividamento das famílias ainda é o cartão de crédito para 39% dos que têm dívidas, seguido pelo financiamento do carro, para 22%, e da casa própria, para 19% delas.

Ainda demora para melhorar
Para que o nível de endividamento possa cair de forma consistente é fundamental a recuperação da renda das pessoas, o que passa necessariamente pela retomada do crescimento econômico, com abertura de postos de trabalho e aumento da renda de quem está empregado, com o aumento das comissões por exemplo.

Mas enquanto a retomada não vem
É fundamental que as famílias repensem suas finanças e adquiram uma disciplina orçamentária que permita a elas passar por este momento de instabilidades com menos sofrimento.

Algumas dicas que podem ajudar
Livre-se do parcelamento do cartão de crédito cujos juros, mesmo tendo caído, ainda estão a 10,87% ao mês.

Com a nova regulamentação do cartão de crédito, em que não é mais possível repetir a opção do pagamento mínimo de forma consecutiva, e o banco é obrigado a oferecer uma linha de crédito para que o consumidor parcele a sua dívida, a atenção é pela taxa de juros desta proposta de financiamento.

Ela sempre será mais baixa que a do cartão, mas veja se não é possível obter taxas menores em outro banco ou em outra linha de crédito.

Saia do cheque especial. Financiar suas contas com esta opção significa pagar 9,6% de juros ao mês.

Cuidado com o empréstimo pessoal em financeiras. O juro médio que cobram é de 8,07% ao mês. Ainda é muito alto.

Compare com as taxas para o empréstimo pessoal praticadas pelos bancos que estão na média em 4,45% ao mês.

E-mail economianossa @ folhadelondrina.com.br
05/06/2017

ECONOMIA NOSSA DE CADA DIA

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados