VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
A Cidade Futura
Marco A. Rossi é sociólogo e professor da Universidade Estadual de Londrina. Gosta de caminhar no Zerão e no Campus da UEL, ouvindo Pearl Jam e deixando as ideias voarem. É autor de livros de poesias e de crônicas. Seu passatempo predileto é exercitar a imaginação sociológica, essa difícil arte/tarefa de reunir biografias particulares e histórias comuns, em busca de alguns dos inúmeros sentidos do mundo. É apaixonado pelo Fluminense Football Club e frequenta habitualmente as margens esquerdas da vida.
Fale com Marco A. Rossi
07/09/2017

Betinho, um sociólogo

Hoje, 20 anos após sua morte, é preciso lembrar o sociólogo que ensinou ao Brasil um pouco do dom da generosidade


Jonas Cunha/Estadão Conteúdo/12-8-1987
Jonas Cunha/Estadão Conteúdo/12-8-1987


O maior legado do sociólogo Herbert de Souza, o Betinho (1935-1997), foi ter contribuído para despertar nos brasileiros afeto e indignação, dando visibilidade a milhões de cidadãos subjugados pelo esquecimento e pela miséria.

O franzino mineiro, nascido em Bocaiuva, teve uma vida difícil. Hemofílico, esteve sempre ao sabor das limitações. As rotineiras transfusões de sangue e as dificuldades para executar tarefas simples o obrigaram a interromper os estudos diversas vezes. Dos 15 aos 18 anos, tuberculoso, viveu confinado num quarto em casa. Sempre vencendo os diagnósticos médicos, Betinho renascia e trazia à cena sua vontade de mudar o mundo.

Em 1958, em Belo Horizonte, ingressou na universidade e começou sua caminhada pela Sociologia. Já profissional, foi assessor do Ministério da Educação, no Governo Jango, nas campanhas de alfabetização de adultos idealizadas por Paulo Freire. Destacou-se, também, na luta pela reforma agrária, fato que lhe rendeu o Prêmio Global 500, da ONU (Organização das Nações Unidas).

Criado num ambiente solidário aos mais pobres, Betinho militou na Ação Católica – um bravo ramo progressista da igreja – e, nos anos de ditadura civil-militar, na Ação Popular, uma agremiação que reunia religiosos, estudantes e intelectuais contra os tentáculos do autoritarismo. Nesse período, tornou-se operário numa indústria paulista, uma experiência que lhe permitiu ficar ao lado daqueles que defendeu a vida inteira.

Enquadrado pela Lei de Segurança Nacional como uma "ameaça expressiva ao País", Betinho viveu oito anos no exílio. Na clandestinidade, conheceu Maria Nakano, com quem permaneceria até o fim da vida.

De volta ao Brasil, em 1979, tornou-se símbolo da Anistia. Henfil, o genial cartunista, transformou-se no "irmão do sociólogo Betinho", invertendo um belo verso de "O bêbado e a equilibrista", de João Bosco e Aldir Blanc.

O Ibase (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas) foi criado por Betinho em 1981. Em atividade até hoje, surgiu para dar suporte aos movimentos sociais pela democracia. Através de pesquisas e análises de conjuntura, o Ibase produziu conhecimento e argumento para os embates políticos no País. Acima de tudo, ensejou uma nova mentalidade pública, disposta a encarar a longa tradição autoritária brasileira e a promover campanhas contra a fome e a desinformação, em favor da ética, da reforma agrária e da participação política.

Em 1986, Betinho descobriu-se portador do vírus HIV. No ano seguinte, ajudou a fundar a Abia (Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids), para combater o estigma e o preconceito. Em 1988, perdeu os dois irmãos, Henfil e Chico Mário, também contaminados nos bancos de sangue sem nenhum controle do País. "A ação da cidadania contra a fome, a miséria e pela vida" foi criada em 1993 e projetou Betinho no mundo, a ponto de ele ser cogitado ao Nobel da Paz.

Nos últimos tempos de vida, dedicou-se à elaboração de uma agenda social para a nação, que preconizava educação, moradia, saúde, segurança e trabalho para todos os brasileiros, integrando o centro e as periferias em espaços urbanos cidadãos.

Hoje, 20 anos após sua morte, é preciso lembrar o sociólogo que ensinou ao Brasil um pouco do dom da generosidade e muito sobre a prática do verdadeiro amor.

Marco A. Rossi é sociólogo e professor da UEL -
cidadefutura @ folhadelondrina.com.br
28/09/2017

Soberania popular

Decisões que não passem pelo crivo da população podem ser tudo, menos democráticas

21/09/2017

Coração utópico

14/09/2017

Em defesa da arte

Seu intuito é aguçar sensações e estabelecer um campo aberto e divergente de visões de mundo

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic