VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Segunda-feira, 24 de Julho de 2017
Marco Rossi
Marco A. Rossi é sociólogo, mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), onde também é professor, e chega para ampliar o time de opinião do jornal com análises dos acontecimentos e suas consequências para Londrina e região.
Fale com Marco Rossi
13/07/2017
A CIDADE FUTURA

A cultura é uma grande viagem


Toda viagem tem início no instante em que começa a ser planejada. A escolha dos destinos, a aquisição de mapas e roteiros, a definição dos lugares a visitar, a leitura sobre a cultura e a história dos povos que constituem as complexas dimensões do tempo e do espaço, tudo já é a viagem e já faz parte das lembranças que acompanharão os viajantes por toda a vida.

O momento maior de uma viagem, contudo, é o encontro com a diferença. Ao se deparar com povos que fizeram histórias (e por elas foram feitos) distintas das suas, o viajante encara o que há de mais humano em si mesmo e se percebe parte de uma universalidade antes apenas teorizada e especulada. A grande viagem, nesse sentido, é em direção ao outro, em seu lugar de vivência, em seu espaço de autoconstrução como parcela genuína e singular do gênero humano.

Pelas passagens do mundo, em cujo rico e sinuoso traçado estão aqueles que sonham e se aventuram pela vida de muitos modos, é possível retornar no tempo inúmeras vezes e reelaborar o presente das mais inusitadas maneiras. É essa viagem mágica que torna o futuro algo sempre aberto – nada nem ninguém tem o poder de determiná-lo sem experimentá-lo de fato.

A luta pela preservação da memória (essa misteriosa palavra que impede as pessoas de esquecerem quem são e de onde vêm) passa pela valorização da cultura. Não há memória onde inexistem trovadores, poetas, prosadores, desenhistas, escultores, pintores, fotógrafos, cineastas, enfim, gente que captura os sentidos da existência com sensibilidade e talento, recuperando identidades, descortinando fatos, abrindo mentes e corações. Da mesma forma, será triste o amanhã dos povos que não mantiverem de pé suas bibliotecas, suas casas de espetáculos, suas salas de cinema, seus museus, suas escolas e universidades, ou seja, as instituições sociais que promovem e preservam o patrimônio histórico e cultural. Sem um atento olhar para o tempo que já se foi, o tempo que ainda é jamais será melhor, mais belo, verdadeiramente justo e democrático.

Numa época de tanta crise esfolando a política e arruinando a economia, a cultura é duramente agredida, com cortes de recursos e, no limite, com a mais profunda das indiferenças. O valor público da cultura, contudo, se agiganta quando é inevitável relacionar os sintomas mais agudos da crise e o empobrecimento progressivo do ser humano.

Governos decentes e cidadãos que empreendam com responsabilidade reconhecem na cultura a base vital da boa vida em sociedade. Sem cultura, não haverá história para contar. Grandes governos e necessários cidadãos, antes de tudo, são destemidos viajantes, cujos mapas de vida revelam interesse e respeito pelo outro, esse sujeito coletivo que ensina um pouco do que há de formidável em todos – e é na cultura que o outro reside e deseja ardorosamente ser encontrado.

Marco A. Rossi é sociólogo e professor da UEL
20/07/2017

O destino do cronista

Há vitalidade e papel transformador em toda palavra escrita

06/07/2017
A CIDADE FUTURA

O humor e a inteligência

A veia humorística requer, contudo, afastamento do riso que desdenha a dor do outro

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados