VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Domingo, 31 de Julho de 2016
Economia
04/05/2012

'Mudança na remuneração da poupança é mínima'

Governo anunciaria ainda ontem que aplicação seria remunerada pela TR mais 70% da Selic, quando a taxa baixar de 8,5%

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Saldo atual das 100 milhões de cadernetas de poupança ativas é de R$ 431 bilhões

Brasília - O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou ontem no Palácio do Planalto que a mudança na remuneração da poupança seria ''mínima''. ''A mudança é mínima, e não afeta os interesses e benefícios dos correntistas da caderneta de poupança'', garantiu.
O governo informou que a poupança será remunerada pela Taxa Referencial (TR) mais 70% da Selic nos casos em que a taxa estiver abaixo de 8,5% ao ano. Hoje, a taxa está em 9% ao ano. A mudança valerá a partir de hoje e ocorrerá através de medida provisória.
No caso dos depósitos feitos até a entrada em vigor da nova regra, não haverá mudanças na fórmula de remuneração, destacou Mantega. A remuneração, nesses casos, é de 0,5% ao mês, ou 6,17% ao ano, mais TR. O cálculo da Taxa Referencial não será alterado.
''Para todos aquelas cadernetas com depósitos até o dia de hoje (ontem), as regras ficam exatamente como estão, remuneração é a mesma e os benefícios que poupança traz são exatamente os mesmos. Não haverá nenhum prejuízo para os atuais detentores'', disse. O saldo atual das 100 milhões de cadernetas de poupança ativas é de R$ 431 milhões, segundo o ministro.
De acordo com ele, os 70% da Selic foram estabelecidos pois essa foi a maior remuneração já paga pela poupança, em 2010, segundo levantamento feito pelo governo. ''Por isso usamos esse critério para estabelecer a remuneração'', declarou.
Ele explicou que a medida foi tomada para garantir o barateamento do crédito. ''Teríamos uma invasão da poupança por grandes investidores em títulos do Tesouro (se a poupança se tornasse mais atrativa que investimentos em títulos públicos, lastreados na Selic). Seria uma pressão para que a Selic suba e não desça'', disse.
Desgaste
Mantega afirmou que não acredita que a mudança na remuneração da caderneta de poupança trará desgaste político ao governo. ''Não é a política que nos pauta, mas não acredito em desgaste político. Fizemos reunião com líderes da base aliada, sindicalistas e empresários, e não houve nenhuma voz distante em relação a isso, mesmo este sendo um ano eleitoral'', declarou.
Bancos
Mantega disse ainda que a mudança fará com que os bancos reduzam suas taxas de remuneração de fundos de investimentos. ''Eles (bancos) cobram taxas de 4%, 3%, 2% ao ano, o que retira parte da rentabilidade dos fundos de investimento. Com essa concorrência da poupança, as instituições financeiras serão levadas a reduzirem suas taxas de administração'', declarou o ministro.

Maeli Prado

Folhapress
Continue lendo
19
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoÍndice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados