VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sábado, 30 de Julho de 2016
Economia
04/05/2012

Segundo Serasa, cai expectativa sobre a data

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

São Paulo - O número de empresários otimistas com as vendas para o Dia das Mães caiu três pontos percentuais na comparação com o ano passado. Segundo pesquisa divulgada esta semana pela empresa de consultoria Serasa Experian, 56% dos varejistas apostam que o faturamento vai crescer. Em 2011, o índice registrado foi 59%. O decréscimo dessa expectativa é resultado da evolução do endividamento e da inadimplência do consumidor, segundo os economistas da Serasa.
Apesar da queda na expectativa, a Serasa Experian acredita que o Dia das Mães deve se manter como segunda melhor data do ano em vendas, perdendo apenas para o Natal. Foram entrevistados 1014 empresários do varejo, entre os dias 9 e 16 de abril. A pesquisa é realizada desde 2006 e o recorde de otimismo para as vendas do período foi registrado em 2010 (60%).
A pesquisa mostra ainda que 35% dos empresários acreditam que o faturamento ficará estável - 9% estimam que cairá. Quando avaliadas pelo porte, as grandes empresas do varejo são as mais otimistas com a data, com 80% dos empresários confiantes no aumento de faturamento. Nas empresas de médio porte, esse índice cai para 72%. Nas pequenas empresas, a expectativa reduz ainda mais, ficando em 56%. Na análise regional, as empresas do Sul e do Norte aparecem em primeira posição, com 58% de otimismo, seguidas pelas regiões Nordeste (57%), Sudeste (56%) e Centro-Oeste (54%).
Segundo a expectativa de venda dos empresários, os presentes mais ofertados este ano devem ser roupas, sapatos e acessórios, com 32%, seguidos por eletrodomésticos (16%), celulares e smartphones (14%), perfumaria e cosméticos (13%), flores (11%), eletrônicos (6%) e joias e relógios (3%).
Os entrevistados avaliam que o gasto médio com os presentes deve ser maior na faixa de R$ 50 a R$ 100 (38%), seguido pela faixa de R$ 101 a R$ 200, com 26%. Em relação à forma de pagamento, 50% das vendas devem ser feitas à vista e 50% a prazo.

Camila Maciel

Agência Brasil
Continue lendo
19
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoÍndice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados