VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sábado, 23 de Julho de 2016
Economia
21/09/2012

MERCADO FINANCEIRO

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Leve alta

Após passar praticamente a sessão inteira no negativo, a expectativa em torno de um novo pacote de ajuda financeira à Espanha melhorou o humor do mercado na última hora dos negócios, ajudando a Bovespa a limitar suas perdas e fechar em leve alta. Conforme reportagem do Financial Times, autoridades da União Europeia estariam trabalhando na preparação do pacote, que incluiria compras de bônus espanhóis pelo Banco Central Europeu (BCE) e tem previsão de anúncio para a próxima semana.
Descrença

Durante a maior parte do dia, a descrença dos mercados internacionais acerca da capacidade de recuperação da economia mundial deu o tom dos negócios, motivada pela divulgação de números fracos de atividade do setor privado da China, da zona do euro e dos Estados Unidos, o que afastou os investidores dos ativos de risco.
Ibovespa

O Ibovespa encerrou o pregão de ontem em leve alta de 0,06%, aos 61.687,97 pontos. Ná mínima, o principal índice da Bolsa recuou 1,12%, aos 60.961 pontos, e, na máxima, foi a 61.908 pontos, com alta de 0,42%. No mês, a Bovespa acumula ganho de 8,11%, e, no ano, de 8,69%. O volume financeiro somou R$ 6,272 bilhões.
Reflexos

''Após a euforia com o anúncio de estímulos na China, do anúncio do QE3 nos Estados e de declarações de apoio na zona do euro, o investidor se pergunta qual é o reflexo disso tudo na economia real, e até agora não teve melhora alguma. Foram só palavras'', destaca o gestor de investimentos da corretora mineira Picchioni, Paulo Amantéa.
Vale

As dúvidas sobre a magnitude do desaquecimento da demanda chinesa influenciaram os papéis da Vale, que fecharam em queda de 0,84% os ON e 0,71% os PNA.
Petrobras

Penalizadas nos últimos três pregões, as ações da Petrobras alcançaram preço mais atrativo, o que abriu oportunidade para recuperação desses papéis. As ações ON da companhia subiram 0,85%, e as PN, 1,15%. A cotação também foi impulsionada por notícias sobre a conclusão da perfuração do quarto poço na cessão onerosa, no pré-sal da Bacia de Santos.
EUA

Em Wall Street, o índice Dow Jones encerrou em alta de 0,14%, enquanto S&P 500 e Nasdaq perderam 0,05% e 0,21%, respectivamente.
Câmbio

O dólar no mercado à vista terminou quase estável, cotado a R$ 2,0230 (-0,05%) no balcão e a R$ 2,0235 (+0,01%) na BM&FBovespa. Em nenhum momento durante a sessão o piso informal de R$ 2,02 foi ameaçado. Com isso, o Banco Central manteve-se ausente dos negócios pela terceira sessão consecutiva. O volume total de negócios ficou ao redor de US$ 2 bilhões, de acordo com a clearing de câmbio.
Dólar

No mercado futuro, às 16h57, o contrato de dólar para outubro de 2012 recuava 0,12%, a R$ 2,0265, com giro de US$ 10,504 bilhões. Este vencimento, que é o mais negociado, oscilou entre R$ 2,0255 (-0,15%) e R$ 2,0335 (+0,25%). O dólar no balcão oscilou entre a máxima de R$ 2,030 (+0,30%) registrada pela manhã e, a mínima, de R$ 2,0220, baixa de 0,10%, computada no meio da tarde.
Juros

Ao término da negociação normal na BM&F, a taxa projetada pelo DI janeiro de 2013 (237.620 contratos) estava na máxima de 7,30%, nivelado ao ajuste. A taxa do contrato de juro futuro para janeiro de 2014 (229.355 contratos) marcava 7,80%, ante 7,84% ontem. Entre os longos, o DI janeiro de 2017 (125.755 contratos) indicava 9,20%, de 9,25% na véspera. O DI janeiro de 2021, com giro de 1.700 contratos, apontava 9,84%, ante 9,90% ontem.
Europa

A maioria das bolsas de valores europeias voltou ao território negativo e fechou em baixa ontem, depois da alta generalizada de ontem, com a pressão exercida por indicadores negativos da China, zona do euro e EUA. O índice pan-europeu Stoxx Europe 600 encerrou o dia com perda de 0,15%, aos 274,50 pontos, após bater a mínima de 273,06 pontos.
Ásia

Os mercados asiáticos fecharam em baixa ontem, influenciados pelo fracos números da produção industrial da China - o PMI preliminar de setembro ficou em modo de contração pelo 11º mês seguido.
(Agência Estado)
Continue lendo
13
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoÍndice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoAdmite-seDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados